Blog Pós-graduação UNIPÊ

BLOG PÓS-GRADUAÇÃO UNIPÊ

Conheça e evite os 12 erros no currículo mais comuns

Postado por Fábio Albuquerque

Qualquer pessoa minimamente antenada no mercado de trabalho brasileiro sabe que conquistar uma vaga de trabalho, que preencha as expectativas dos profissionais, está cada vez mais difícil. Principalmente, devido ao aumento da competição em diversos setores, aliado à crescente taxa de desemprego, causada pelas instabilidades econômicas dos últimos meses. Dentro desse contexto, erros no currículo — ou acertos — por menor que sejam, podem ser determinantes na conquista ou perda daquela vaga dos sonhos.

Por isso, todo o cuidado é pouco! E quando se fala desse assunto, os erros no currículo figuram como um dos principais motivos de desclassificação em processos seletivos. Sim, é isso mesmo! Um currículo mal feito ou mal estruturado pode fazer suas chances de conseguir aquele emprego que você tanto deseja irem por água a baixo.

Em função da importância de não cometer erros no currículo e para elucidar melhor essa questão, escrevemos o post de hoje! Ao longo da leitura você conhecerá quais os principais equívocos cometidos pelas pessoas na hora de redigir seus currículos e o melhor, aprenderá como evitá-los! Vamos lá?

conheca-e-evite-os-12-erros-no-curriculo-mais-comuns.jpg

Qual a importância do currículo no mercado de trabalho?

Embora o mercado e as relações de trabalho estejam em um processo de mudança bastante significativo nos últimos anos, algumas questões ainda permanecem inalteradas. O currículo é uma delas.

A seleção de candidatos para concorrer aos mais diversos postos de trabalho ainda é feita por meio da análise inicial de seus currículos. E, pelo menos até o momento, não há nenhum indicativo de que haja alguma mudança nessa tendência pelas próximas décadas.

Apesar de o ditado "não se deve julgar um livro pela capa" se mostrar verdadeiro na maioria dos casos, isso não é absolutamente verdade, quando o tema é análise e seleção de currículos. Sendo o seu currículo a capa do seu livro profissional, os recrutadores acabam julgando você por ele sim e isso pode ser bom ou ruim, dependendo da qualidade do documento que você entrega, não é?

Não importa o quanto você estudou, se dedicou, se fez pós-graduação ou especialização, quantos idiomas fala com fluência ou por quantas empresas e cargos já passou ao longo de sua vida. Se você não souber organizar essas informações da maneira correta em seu currículo, pode colocar tudo a perder.

Por outro lado, seu currículo pode ser a porta de entrada para excelentes oportunidades profissionais, mesmo que você não tenha tanta experiência assim. Ao causar boa impressão, a curiosidade dos recrutadores em conhecer mais a fundo o dono daquele documento é estimulada e as chances de você conseguir uma entrevista e reforçar toda a sua vontade e potencial para a vaga pessoalmente, aumentam de maneira significativa.

Por isso, independentemente de você ser um profissional experiente ou que esteja apenas iniciando a sua carreira profissional, é extremamente importante que ter um currículo bem apresentado e construído. Acredite, um escorregão nesse ponto e você pode perder oportunidades incríveis, mesmo que seja o candidato mais indicado para a vaga.

Como deve ser um bom currículo?

Apesar de essa questão variar um pouco entre uma empresa e outra, podemos dizer que, de maneira geral, um bom currículo é aquele que transmite de maneira concisa, objetiva e precisa a formação, experiência profissional e aptidão do candidato. As informações ali contidas devem ser fáceis de visualizar, atualizadas, passíveis de comprovação e organizadas de maneira que facilitem a leitura e o entendimento por parte dos recrutadores.

Além disso, dar uma boa pesquisada sobre a empresa para a qual você deseja trabalhar, antes de enviar seu currículo, é uma ótima estratégia. Se possível, tente descobrir quais os valores e missão daquela organização e o que ela espera dos candidatos para aquela vaga em especial. A partir dessas informações, é possível formatar as informações de seu currículo de maneira a deixá-lo mais alinhado às expectativas da companhia.

Como selecionar o que deve ou não deve entrar no currículo?

Na hora de organizar as informações para adicioná-las ao seu currículo, a máxima "menos é mais" não poderia ser mais verdadeira. É bastante importante fazer uma boa triagem, selecionando o que é realmente relevante para a sua vida profissional atual e o que não é. Resista à tentação de registrar toda e qualquer experiência profissional ou formação. Muitas vezes, elas podem ser irrelevantes para o recrutador e darem a impressão de que você está querendo "encher linguiça".

Entenda que o currículo é um documento de apresentação profissional e não uma autobiografia, certo? O mais recomendado é registrar as suas experiências profissionais mais recentes e relevantes. Deixe aquele seu trabalho de verão na sorveteria do bairro dez anos atrás ou aquele estágio voluntário que você fez quando estava na oitava série de fora, ok? A não ser que eles sejam extremamente relevantes para a vaga que você está pleiteando.

Isso também vale para a sua formação. Cursos de graduação, especializações e pós-graduações, bem como cursos de idiomas e todos os outros que lhe agregaram conhecimento essencial para a sua profissão não devem, de jeito nenhum, ficar de fora. Porém, aquele curso de florista de final de semana ou de culinária rápida, por exemplo, podem ser descartados sem dó, apenas se por alguma razão eles forem indispensáveis.

Por fim, questões como pretensão salarial, foto, referências profissionais, carta de apresentação e demais informações, só devem ser adicionados ao seu currículo, caso isso seja expressamente exigido para a candidatura à vaga. Nesses casos, não anexar esses dados pode, inclusive, resultar em desclassificação do processo seletivo. Por essa razão, fique atento às exigências de cada vaga em particular.

Como deve ser o layout do currículo?

Embora a criatividade e a inovação sejam características cada vez mais incentivadas e buscadas em profissionais das mais distintas áreas de atuação, na hora de montar o seu currículo, a formalidade ainda é uma característica bastante valorizada. Por isso, a não ser que você seja publicitário, designer ou tenha qualquer outra profissão de caráter mais inovador, é importante ter um cuidado redobrado com o layout do currículo.

Evite "inventar" demais, utilizando planos de fundo, cores berrantes e imagens. Do mesmo modo, utilizar fontes de tamanho muito grande ou com um estilo menos formal podem ser um tiro no pé. Acredite, na maioria das vezes isso não causa boa impressão e, inclusive, pode ser interpretado como falta de maturidade e profissionalismo.

Entenda que o seu currículo é a sua carta de apresentação profissional. Por isso, o mais adequado é seguir o padrão de layout tradicional, utilizando cores, estilos e tamanhos de fonte adequadas, em um design limpo, objetivo e sem distrações. Deixe para impressionar os recrutadores pelo conteúdo e não pela imagem de fundo do currículo, ok?

Quais são os erros no currículo que você não deve cometer?

1. Colocação de um título

A famosa frase "Curriculum vitae" no cabeçalho do currículo caiu em desuso e é dispensável hoje em dia. Afinal, qualquer pessoa que estiver com seu currículo em mãos saberá de cara do que se trata, certo?

2. Excesso ou falta de dados pessoais

Aqui está um item em que a maioria das pessoas peca, seja pelo excesso ou pela falta de dados pessoais. Número de documentos como CPF e RG não devem constar no currículo. Se você for selecionado para a vaga, a empresa solicitará esses dados no momento da contratação. Ademais, como o currículo é um documento que pode acabar nas mãos de qualquer pessoa, é necessário ter cuidado com esse tipo de informação, por questões de segurança.

Apesar de a idade ser uma informação bastante relevante para recrutadores, isso não se pode dizer de sua data de nascimento. A empresa não precisa saber quando você faz aniversário e sim se a sua idade é compatível com o cargo que você almeja e com a experiência relatada no currículo.

Da mesma forma, incluir links para seus perfis em redes sociais, como Facebook, Twitter ou Instagram não é recomendado, a não ser que isso seja solicitado ou que seja parte integrante de seu histórico profissional.

O nome de seus pais, seu estado civil e se você tem ou não filhos são também informações que não devem estar contidas em seu currículo. Caso o recrutador queria saber alguma dessas referências, ele te perguntará pessoalmente durante a entrevista.

Por outro lado, determinadas informações pessoais devem estar, obrigatoriamente, em qualquer currículo. Endereço completo — incluindo CEP e bairro — é essencial. Muitas empresas analisam esse dado para saber se o tempo e os custos de deslocamento estão compatíveis com o que a empresa busca.

Além disso, telefone e e-mail não podem faltar. Afinal, caso você seja selecionado para uma entrevista, como a empresa poderá entrar em contato com você sem essas informações?

3. Ausência do campo "Objetivo Profissional"

Esqueça a ideia de que não colocar um objetivo profissional bem definido em seu currículo aumentará as suas chances de conseguir oportunidades de trabalho em áreas distintas. A simples falta desse campo em seu currículo é visto como problemática por muitos recrutadores, pois demonstra falta de foco e ambições profissionais.

Na maioria das vezes essa estratégia acaba também passando a impressão de que você está desesperado por trabalho e que aceitará qualquer tipo de proposta, seja de que área for. Além disso, evite usar os clichês genéricos clássicos nesse campo, como "ajudar a empresa a crescer" ou "contribuir para uma empresa de sucesso". Procure ser mais específico e listar objetivos que tenham a ver com a vaga para qual você está se candidatando.

4. Endereço de e-mail inadequado

Sabe aquele endereço de e-mail que você criou quando estava no Ensino Médio? Esqueça de vez a possibilidade de utilizá-lo como meio de comunicação entre você e as empresas nas quais você deseja trabalhar.

Coisas como "gatinha_da_rua@email" ou "eusouocara@email" demonstram uma total falta de profissionalismo e seriedade, aumentando significativamente as chances de seu currículo ser descartado.

5. Currículos muito longos

Por mais vasta que seja a sua qualificação e experiência profissional, ela deve caber em, no máximo, duas folhas. Os recrutadores e o pessoal de RH leem centenas de currículos durante processos seletivos. Se o seu for um "livro", pode ter certeza de que ele não será lido até o final.

6. Mentiras

Esse erro parece ser óbvio e bastante fácil de ser evitado, mas nunca é demais reforçar, não é mesmo? Jamais, em hipótese alguma, inclua informações falsas em seu currículo. Cursos não realizados, fluência em idiomas, domínio de softwares, capacidades, seja lá o que for.

Como dizem, a mentira tem perna curta. Hoje em dia ainda mais, visto que praticamente qualquer informação pode ser checada. E se você for pego mentindo, além de, obviamente, perder a vaga, pode ficar com sua imagem profissional seriamente prejudicada dentro de sua área de atuação.

Um bom exemplo do quanto mentiras e qualificações "infladas" no currículo podem ser prejudiciais, foi a notícia sobre a empreendedora e coach Bel Pesce, que se espalhou pela internet há algumas semanas.

Seu currículo invejado foi questionado por internautas, que resolveram ir atrás da veracidade das informações e descobriram que alguns dados contidos ali não eram assim tão verdadeiros. O resultado? Uma crise de imagem sem precedentes para a empresária, que se viu obrigada a dar explicações públicas e teve sua imagem como profissional arranhada de maneira irreversível.

Baixe agora

7. Criatividade exagerada

Quando você escolhe a roupa para ir a uma entrevista de emprego, aquela sua calça estampada ou florida fica totalmente fora de cogitação, certo? Então, por que seria diferente com o seu currículo?

Entenda que ele é um documento de apresentação formal e, por isso, deve ser apresentado de maneira séria e profissional. Destacar algumas informações utilizando negrito ou sublinhado está permitido, mas evite usar cores chamativas, fontes inadequadas ou imagens. O resultado é uma poluição visual que não agrada em nada aos recrutadores.

Por outro lado, caso você seja um profissional da área criativa, como publicitário ou designer, é possível — e até mesmo recomendado — que o currículo demonstre criatividade e inovação. Mas se esse não é o seu caso, melhor manter a formalidade.

8. Foto inadequada

A não ser que o anúncio da vaga exija, não adicione fotos ao seu currículo. Muitas vezes, ao imprimi-lo, a foto acaba ficando distorcida e com baixa qualidade, o que, acredite, não é nada vantajoso. Deixe para mostrar toda a sua simpatia e boa aparência pessoalmente, durante a entrevista.

E caso a empresa solicite o envio de fotos, escolha sempre uma de tamanho 3x4, comportada. Esqueça aquelas onde você está em um bar, se divertindo com amigos ou na praia. Por mais que você esteja ótimo, elas não são adequadas na hora de conseguir um emprego, acredite.

9. Excesso de características pessoais

Inserir no currículo informações como "criativo", "trabalhador" e "proativo" não adianta nada e, inclusive, podem irritar o recrutador e passar a imagem de que você é uma pessoa arrogante e presunçosa. Além disso, ninguém acreditará em elogios dados pela própria pessoa. Deixe para falar de suas excelentes habilidades profissionais cara a cara, durante a entrevista, se isso lhe for perguntado.

10. Erros gramaticais e de formatação

Esse é um dos erros mais cometidos em currículos e um dos piores. Erros gramaticais e de concordância, bem como falhas de digitação e formatação, passam uma impressão de desleixo e falta de cuidado com sua imagem profissional e podem ser decisivos na escolha ou rechaço de um candidato.

11. Omissão de datas e falta de organização cronológica

Muitas pessoas acabam omitindo as datas de conclusão de cursos e especializações e de entrada e saída de empresas, com o objetivo de esconderem a própria idade ou o fato de terem passado pouco tempo trabalhando em determinado local. No entanto, essa omissão pode dar a impressão de que você tem algo a esconder.

Da mesma maneira, não organizar cronologicamente suas experiências profissionais e formação acadêmica é se prejudicar. Por essa razão, elas devem estar sempre listadas começando pela mais atual até a mais antiga, por último. Os recrutadores estão muito mais interessados no que você fez ou trabalhou recentemente do que naquele seu primeiro estágio da faculdade.

12. Disparo de "currículos padrão"

Obviamente, suas experiências profissionais e formação acadêmica são as mesmas, independentemente da vaga a qual você está se candidatando. Porém, montar um currículo padrão e dispará-lo para toda e qualquer vaga de emprego, que seja do seu interesse, é um erro bastante grave.

Cada empresa, área de atuação ou cargo prioriza determinadas características e experiências. Por isso, não buscar saber o que a empresa espera do profissional que está recrutando e, assim, organizar o seu currículo de maneira que isso possa ser mais bem visualizado, pode ser determinante na hora de ser eliminado do processo seletivo.

Como evitá-los?

Baseado nos doze erros mais comuns na hora de montar um currículo listados acima, você já possui uma boa ideia de como redigir o seu, não é mesmo? Basta ficar atento para não escorregar nesses quesitos.

Descreva seus dados pessoais de maneira sucinta, mas de modo que a empresa tenha como entrar em contato com você, caso necessite marcar uma entrevista. Se você não possui um endereço de e-mail mais voltado à área profissional, trate de criá-lo. Utilizar seu nome e sobrenome é uma estratégia certeira para não errar nessa questão.

Monte um currículo distinto para cada vaga que você se candidatará. Busque saber que tipo de profissional a empresa em questão está buscando para aquele cargo e adeque seu currículo de maneira a ressaltar as características e experiências que podem te ajudar. Mas atenção: sem inventar ou aumentar nada, ok? E não se esqueça de escrever seu objetivo profissional para a vaga em questão (essa parte é muito importante).

Se depois de pronto o seu currículo estiver muito longo, reveja-o e corte informações menos relevantes. Hoje em dia, aquele curso de Power Point que você fez em 2007 não é tão relevante assim. Resuma as informações de maneira a deixar visível somente o que é realmente importante para aquela vaga.

Utilize sempre folhas brancas e fontes pretas, de preferência as clássicas Times New Roman ou Arial, em tamanho 12 para o texto e 14 para os subtítulos. Negrito, sublinhado e itálico, bem como cores sóbrias como cinza ou azul-marinho, estão permitidos na hora de dar ênfase a alguma informação em específico. Mas utilize esse recurso com moderação, ok?

Fique de olho também na formatação do seu currículo. Certifique-se de que as margens não estão grandes ou pequenas demais (1,5 cm costuma ser um bom padrão). Justifique o texto e deixe um espaço adequado entre linhas e parágrafos, de maneira a deixar a leitura agradável e fluída.

Depois de pronto, revise seu currículo com bastante cuidado e atenção, em busca de erros gramaticais e de digitação. Nesse momento, vale até mesmo pedir para que outra pessoa leia o documento em busca de eventuais equívocos. Às vezes, de tanto ler o mesmo conteúdo, acabamos deixando passar alguma coisa sem nem nos darmos conta.

Evitar erros no currículo é muito mais do que ser cuidadoso e responsável com a sua vida profissional. Ter atenção às questões descritas ao longo desse post podem ser determinantes na conquista ou perda de uma vaga de emprego, pode acreditar!

Em tempos de competitividade acirrada e enxugamento massivo de postos de trabalho, todo e qualquer detalhe faz a diferença em processos seletivos. Por isso, se você está em busca de um emprego que preencha as suas aspirações profissionais, siga as dicas contidas nesse artigo e não cometa mais erros em seu currículo!

Dessa maneira, caso o seu perfil profissional se encaixe verdadeiramente na vaga, as chances de você conseguir uma entrevista e demonstrar todo o seu potencial e profissionalismo ao vivo aumentarão consideravelmente. Um bom currículo é somente o pontapé inicial, mas se você fizer com que esse pontapé vire um chute certeiro, quem ficará na cara do gol será você!

Agora é a sua vez! Você já cometeu algum dos erros no currículo citados nesse post? Você considera que existe algum outro equívoco que não foi citado ao longo desse conteúdo?

Compartilhe as suas opiniões e experiências conosco nos comentários e enriqueça a discussão sobre esse assunto!

Acessar material

pós-graduação, carreira, gestão de projetos

Fábio Albuquerque

Fábio Albuquerque

Pró-Reitor da Pós-graduação do Unipê. Mestre em Administração pelo Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade da Paraíba, Especialista em Estratégia Empresarial e Pesquisador de Marketing, Consumo e Sociedade, além de Tecnologia da Informação e Sociedade.

Posts relacionados

ASSINE A NEWS

VÍDEOS

ACOMPANHE O UNIPÊ

REDE SOCIAIS