Blog Pós-graduação UNIPÊ

BLOG PÓS-GRADUAÇÃO UNIPÊ

7 dicas de como não ser demitido

Postado por Fábio Albuquerque

Não ser demitido é uma das preocupações que mais atingem um profissional em tempos de mudanças nas empresas. O fato pode até mesmo prejudicar o desempenho, aumentando as chances de uma demissão. Isso ocorre especialmente quando o desânimo e a apatia tomam conta durante crises ou reestruturações, sendo facilmente percebida pela melancolia que chega a atingir equipes inteiras.

Os fatores que estão em risco numa demissão acabam pesando, entre eles:

  • A perda da estabilidade financeira e, consequentemente, do padrão de vida;
  • A interrupção de uma carreira dentro de uma organização (no caso das maiores empresas);
  • O fim do trabalho com colegas com os quais já se acostumou ou se trabalha há muito tempo;
  • A busca por um novo emprego que pode ser demorada, tendo de aceitar um salário menor para ser contratado (em alguns casos), etc.
  • O término de uma relação com a organização que pode ter sido de anos ou até décadas, mudando completamente a vida, etc.

Todos esses pontos podem acabar provocando uma apatia ou pessimismo. Contudo, algumas dicas, se aplicadas pelo profissional, podem conseguir livrá-lo da demissão ou pelo menos adiá-la por mais tempo até que ele consiga se preparar melhor. Separamos 7 delas, as quais você confere a seguir!

shutterstock_393282928.jpg

1. Perceba e avalie os sinais

A primeira coisa que o profissional deve fazer é perceber e analisar os sinais de que uma demissão está próxima. Antes, porém, é importante entender quais são as causas mais comuns das dispensas, sendo elas impulsionadas por:

  • Fatores internos: comportamento inadequado; desempenho abaixo do esperado; divergências com a cultura da empresa; atritos constantes com o gestor; falta de entrosamento com a equipe, etc. Se você tem ficado muito distante dos colegas ou até mesmo não tem se entendido com o chefe, é hora de ficar alerta e tentar mudar isso;
  • Fatores externos: reestruturação da empresa com cortes por causa de crise; venda da empresa ou parte dela para outra organização; fusão ou aquisição de outras companhias; enxugamento de setores para simplificar as operações; corte de verbas para funcionários, etc. Nesse caso a permanência do profissional não depende tanto dele, porém há formas de se melhorar as chances de ficar. Nos tópicos seguintes falaremos mais sobre como conseguir isso.

Observe ao seu redor e tente notar os sinais: colegas sendo demitidos, setores sendo fechados, a área de RH recebendo mais tráfego de pessoas de repente. Ligue as peças para entender o que está ocorrendo.

O comportamento dos gestores também muda, partindo de algo mais aberto e companheiro para um enfoque mais objetivo e até seco. Isso pode ser causado por estarem sob pressão ou pela iminência de cortes de pessoal. Agora, se o seu gestor mudou o comportamento só com você, aí pode ser sinal de que somente o seu cargo está em risco.

2. Converse com o gestor

Após perceber os sinais você pode tentar conversar com seu gestor para tentar descobrir se tem algo que possa fazer para alterar a situação. Ou, pelo menos, para obter mais tempo até encontrar um novo trabalho. Essa conversa pode ser arriscada, então tome cuidado com as palavras.

Aliás, mesmo que o assunto não tenha chegado na demissão, busque evitar atitudes reativas ou na defensiva. Tampouco transfira responsabilidades ou fale mal dos colegas, tentando colocá-los na sua frente na lista dos que serão mandados embora.

Tentar tirar o seu da reta e pôr o do colega é um dos piores comportamentos que um profissional pode ter, além do efeito poder vir a ser o oposto do que se pretende, tornando-o o próximo a ser demitido.

Quando o problema for desempenho ou comportamento pessoal, é preciso mostrar uma atitude positiva e transmitir a mensagem de que se está disposto a mudar e melhorar, saindo do status quo atual.

Baixe agora

3. Invista em networking

Todo profissional deve investir em networking montando uma rede de relacionamentos profissionais, especialmente para momentos de recolocação profissional. Isso deve ser feito já dentro da empresa, não somente fora dela, para que seja possível até mesmo obter uma transferência de setor caso o seu seja dispensado. Vale até ficar de olho nas vagas do RH e já ir conversando com os colegas desse setor.

É preciso fazer um bom marketing pessoal para se conseguir oportunidades assim e não ser despedido, além de favorecer a aquisição de contatos profissionais. Um bom networking aliado a um marketing pessoal bem feito pode ampliar sua imagem dentro da organização, tornando-o mais desejado para os gestores dela.

Mas esses dois pontos devem ser feitos constantemente, não só quando a ameaça de cortes de pessoal surgir.

4. Ressalte suas qualidades e feitos na empresa

Outra forma de se valorizar perante os gestores, equipe e pessoas de poder dentro da empresa é ressaltando suas qualidades e feitos nela. Não significa sair por aí só falando do que você fez, o que pode soar como arrogância.

Deve-se procurar valorizar pontos de forma discreta, mas visível, por meio de e-mails, relatórios, conversas, reuniões, confraternizações, etc. É importante deixar claro por qual razão a empresa precisa de você. Ficar apagado no canto, mesmo sendo um excelente profissional, pode não ajudar muito.

5. Mantenha o humor elevado

Pessimistas e queixosos caem primeiro. Quando as coisas não vão bem numa organização, aqueles que tendem a deixar o clima pior, geralmente são os primeiros a serem despedidos. Os mais otimistas, positivos e colaborativos, tendem a ser os últimos ou até permanecerem.

Esses geralmente buscam manter o nível do trabalho em alta e trabalham bem em equipe, pontos fundamentais em épocas em que se precisa aumentar o ânimo dos profissionais.

Ser educado, cumprimentar e desejar bons sentimentos aos demais também colabora, mesmo que você tenha de agir assim ao lidar com aqueles colegas mais inconvenientes. Em épocas de demissão eles podem se tornar mais chatos ou aumentar em número, já que nem todo mundo suporta climas tensos.

6. Evite repetir os mesmos erros

Atrasar prazos, errar cálculos seguidos, deixar clientes e fornecedores esperando, chegar atrasado em reuniões: todos esses pontos vão acumulando e deixam seu saldo negativo na empresa. Especialmente quando ocorrem com frequência. Por isso, é importante ficar atento e perceber seus próprios erros para não os cometer mais.

Espalhar fofocas, fazer comentários inadequados (além dos pessimistas) também são erros comportamentais a serem evitados para não ser demitido.

7. Colabore mais com a equipe

É preciso ser aberto para a equipe, tanto na comunicação quanto na ajuda aos colegas. Ficar na sua, quieto ou fingindo que está ocupado pode ser prejudicial para sua imagem. Soar ríspido ou impaciente com os mais novos também. Membros que mantém o grupo animado e produzindo são valorizados, sendo necessários para o bom funcionamento dos setores e da organização.

Mesmo com essas dicas para não ser demitido, é preciso entender que a dispensa poderá ocorrer. São inúmeros os fatores que levam a esse ponto, porém o importante é não ficar parado quando os sinais surgirem.

Vale até buscar dicas para uma nova recolocação profissional. Caso ocorra a demissão, você já esteja pronto para assumir um cargo em outra empresa. E aí, gostou das dicas? Ficou com alguma dúvida? Comente abaixo!

Acessar material

pós-graduação, carreira, gestão de projetos

Fábio Albuquerque

Fábio Albuquerque

Pró-Reitor da Pós-graduação do Unipê. Mestre em Administração pelo Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade da Paraíba, Especialista em Estratégia Empresarial e Pesquisador de Marketing, Consumo e Sociedade, além de Tecnologia da Informação e Sociedade.

Posts relacionados

ASSINE A NEWS

VÍDEOS

ACOMPANHE O UNIPÊ

REDE SOCIAIS