BLOG DA GRADUAÇÃO

Redação ENEM: o guia definitivo para se dar bem na prova

Você que passa o ano inteiro estudando para a prova do Enem, dedicando muitas horas de seu dia resolvendo exercícios de matemática, química, física e história, mas já parou para pensar sobre a importância da redação do Enem?

Pois saiba que esse quesito é o responsável por metade (sim, metade!) de sua nota final no exame. Mesmo que deseje ingressar em um curso de exatas, você, obrigatoriamente, precisa se sair bem na redação para aumentar as suas chances de conquistar a tão sonhada vaga no ensino superior.

Além disso, para poder usufruir de benefícios e concessões dadas pelo governo como Fies, Sisu e ProUni, é obrigatório não zerar a redação. Ou seja, ignorar essa questão é uma péssima opção  se você realmente deseja entrar na faculdade, certo?

E caso a redação não seja exatamente o seu forte, não se preocupe! Foi justamente para te ajudar nessa tarefa que criamos o guia definitivo da redação do Enem, com dicas e informações preciosas para se dar bem na prova!

Aqui, abordaremos questões muito relevantes sobre este assunto e que, se colocadas em prática de maneira sistemática, poderão aumentar sua nota na redação a níveis jamais imaginados! E então, pronto para aprender a fazer um texto incrível? Continue a leitura!

redacao-enem-o-guia-definitivo-para-se-dar-bem-na-prova.jpg

Como deve ser a estrutura da redação do Enem?

Segundo as regras estabelecidas para a redação do Enem, o texto deve ter o formato dissertativo argumentativo. E o que isso quer dizer afinal? Como o próprio nome diz, a redação tem que ser estruturada na forma de dissertação e conter argumentos que suportem sua opinião sobre o tema.

Ou seja, os textos em tom de reportagem de jornal ou carta, por exemplo, por mais bem escritos que estejam, levarão um zero bem redondo. Da mesma maneira, você pode ser um excelente poeta, mas deixe para expressar essa habilidade em outros momentos que não sejam a redação do Enem, ok?

Como toda estrutura dissertativa, a sua redação deve conter, obrigatoriamente, os elementos básicos que identificam esse tipo de texto: introdução (1 parágrafo), desenvolvimento (2 a 3 parágrafos) e conclusão (1 parágrafo). Além disso, o texto precisa ter um mínimo de 8 e um máximo de 30 linhas. Escreveu mais ou menos do que isso? A sua redação será zerada automaticamente, não importa a qualidade do conteúdo.

Ao contrário do que muita gente pensa, a ausência de título não é um fator eliminatório. Ou seja, você pode optar por não dar um título à sua redação. Entretanto, essa não é a atitude mais recomendada por quem entende do assunto.

A esmagadora maioria das redações nota 1000 levam um título. De maneira geral, frases curtas e que abordem, ao mesmo tempo, o tema proposto e sua opinião sobre o assunto são os mais bem-vistos pelos corretores.

No que se refere à parte argumentativa do texto, é imprescindível que você se coloque frente ao tema proposto. Qual a sua opinião sobre o assunto? Nunca se esqueça de que você tem que deixar isso muito claro e, mais, embasar a sua opinião com fatos e teorias, especialmente, na introdução e na conclusão, ok?

Entretanto, é sempre bom lembrar que escrever qualquer opinião que fira diretamente os direitos humanos e a diversidade sociocultural também é motivo para tirar zero. Por isso, na hora de argumentar, o recomendado é deixar qualquer tipo de preconceito de fora, certo?

Quais são os critérios de avaliação da redação?

Como você já deve saber de cor, a redação do Enem tem um valor total de 1000. Mas dentro dessa pontuação, você sabe quais são os critérios avaliados e quanto vale cada um deles? Na verdade, a correção dos textos redigidos pelos alunos é baseada em 5 competências específicas, cada uma valendo 200 pontos. Confira abaixo quais são elas:

Competência 1: demonstrar o domínio da norma-padrão da língua escrita

É nessa parte que seu texto será avaliado quanto à obediência às regras de concordância, regência nominal e verbal, pontuação, flexão de nomes e verbos, grafia de palavras, acentuação e pontuação, uso correto de maiúsculas e minúsculas, colocação pronominal e divisão silábica. Ou seja, é aqui que você tem que provar que entendeu direitinho as aulas de Português da escola.

Para conseguir a nota máxima nessa competência, o nível de desvios de gramática tem que ser extremamente baixo. Um ou dois escorregões nessa parte, quando não comprometam o entendimento do texto, podem passar batidos pelos corretores.

Competência 2: compreender a proposta da redação e aplicar conceitos de várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo argumentativo

Aqui, dois pontos cruciais entram em avaliação. O primeiro se refere à adequação do texto quanto à estrutura dissertativa argumentativa. Ou seja, se você realmente estruturou suas ideias conforme esse padrão textual. Já o segundo é avaliar se houve ou não fuga total ou parcial ao tema proposto.

Caso seu texto não contenha argumentos sólidos para defender um posicionamento (tese) sobre o assunto, ou se apenas o assunto geral ou específico do tema for abordado, sua nota nessa competência tende a cair consideravelmente.

Competência 3: selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista

Nessa competência o que será avaliado primordialmente é se você realmente entendeu o tema proposto e dissertou sobre ele. Além disso, a maneira como estão organizadas as informações, fatos e argumentos conta bastante. Afinal, não basta apenas ter bastante conhecimento sobre determinado assunto, é preciso se fazer entender, não é mesmo?

Por isso, o importante para se dar bem nessa competência é conectar as suas ideias e opiniões de uma maneira lógica e que façam sentido para quem está lendo. Nunca se esqueça de que o conteúdo do texto tem que estar adequado ao mundo real. Por isso, mantenha os pés no chão e tente analisar o tema de maneira racional, ok?

Competência 4: demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação

Para arrasar nessa competência, o mais importante é que você consiga produzir um texto bem articulado, ou seja, onde os parágrafos e orações estejam interligados de maneira coesa. Para isso, é imprescindível saber utilizar de maneira correta os chamados operadores argumentativos — conjunções, pronomes, adjetivos e adjuntos adverbiais —, de maneira a "costurar" o texto, para que ele fique claro e lógico.

Se você ficou perdido e não entendeu muito bem o que quisemos dizer com operadores argumentativos, aqui vão alguns bons exemplos: "sendo assim", "ademais", "todavia", "portanto", "então" e "entretanto". Agora ficou mais fácil perceber o que significa redigir um texto coeso, certo?

Mas atenção! Essas palavras e expressões não servem só para deixar o texto "bonito" aos olhos dos corretores, viu? Você tem que saber utilizá-los da maneira correta, de forma que eles realmente conectem as ideias e argumentos da redação, permitindo que o leitor consiga entender sua linha de raciocínio.

Competência 5: elaborar uma proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos

Aqui está uma competência extremamente importante e que muitos alunos acabam esquecendo. A ausência dela pode prejudicar, e muito, a sua nota final. A redação deve propor, na conclusão, uma solução à problemática exposta pelo tema.

Obviamente, para ser considerada válida, a proposta deve estar de acordo com o que foi argumentado durante o desenvolvimento da redação e, principalmente, tem que respeitar os direitos humanos. Propostas como pena de morte, linchamentos ou exclusão de determinados grupos sociais são brindados com um zero nesse quesito.

Ademais, você tem que ser bastante claro em sua proposta. Quem vai fazer o que? Descreva exatamente qual o papel do governo, população ou indivíduo na solução do problema e como deve ser a intervenção de cada um.

New Call-to-action

O que é preciso para fazer uma redação nota 1000?

Ok, agora que você já sabe quais são os critérios de avaliação da redação do Enem pode estar se perguntando como aplicar todas essas informações de maneira a fazer um texto nota 1000, certo? Pensando nisso, listaremos um passo a passo, que o ensinará a redigir cada uma das principais partes de uma redação dissertativa argumentativa: introdução, desenvolvimento e conclusão. Confira a seguir!

Como fazer a introdução?

Para muitas pessoas, essa é a pior parte. Como iniciar a exposição de seus argumentos da melhor maneira? Uma boa estratégia nesse sentido é fazer a contextualização do tema proposto. Relate algum acontecimento atual que tenha a ver com o assunto e que possa servir como "fio condutor", por exemplo.

Se você manja de história, a introdução da redação também é um ótimo momento para relacionar fatos passados à realidade atual do tema proposto. Lembre-se sempre de que a capacidade de relacionar com maestria conhecimentos de áreas distintas é uma das competências mais cobradas pelo Enem.

Nessa parte, é possível também alinhar fatos relacionados ao tema proposto com a sua realidade cotidiana ou com situações já vividas. Por fim, sempre exponha na introdução o seu posicionamento pessoal em relação ao tema (tese).

Como fazer o desenvolvimento?

Os parágrafos do desenvolvimento são aqueles destinados a desenvolver os argumentos e opiniões expressos na introdução. Não se esqueça de "costurar" bem o texto, ok? O desenvolvimento tem o objetivo de explicar detalhadamente a argumentação que iniciou a redação.

Como já falamos, o ideal é que essa parte tenha, no mínimo, 2 parágrafos e, no máximo, 3. Em cada um dos parágrafos exponha um argumento distinto e em quais fatos e informações você se baseou.

Lembra-se dos operadores argumentativos, que falamos? Pois a melhor hora de utilizá-los é durante o desenvolvimento. Dessa maneira você forma uma "linha de raciocínio" muito bem estruturada e coesa.

Como fazer a conclusão?

A conclusão da redação do Enem é o parágrafo destinado ao "fechamento" do seu argumento. É nessa parte que você deve, obrigatoriamente, propor a intervenção ao problema (a competência 5, lembra?). Nessa hora tente fugir do lugar-comum. Seja original (mas coerente) em suas propostas de solução ao problema exposto no tema.

Uma dica que também pode ser bastante eficiente é fechar o texto conectando-o com o que foi exposto na introdução. Essa estratégia é denominada "texto circuito". Ou seja, a introdução é conectada ao desenvolvimento, que, por sua vez, é conectada à conclusão que, por fim, conecta-se à introdução. Redigir um texto circuito coeso e bem embasado é o melhor caminho para a nota máxima, pode acreditar.

Quais são os erros mais comuns e como evitá-los?

Se você acompanhou esse post até aqui, já deve ter uma boa ideia de como acertar em cheio na hora de se dar bem na redação do Enem, certo? Mas e o que não fazer? Quais são os erros mais comuns cometidos pelos alunos durante a prova? É exatamente sobre isso que falaremos nesse tópico. Vamos lá?

Fugir do tema

Acredite ou não, a cada ano centenas de milhares (esse número não é um exagero) de pessoas zeram a redação do Enem simplesmente por fugirem ao tema proposto. A problemática abordada, além de estar contida no título da proposta, também vem embasada por textos complementares, que discutem assuntos relacionados a ela.

Por isso, se você não quer cometer esse erro, fique bastante atento ao que está sendo pedido e leia com atenção esses textos de apoio. Eles dão uma boa ideia sobre quais assuntos deverão ser discutidos. E o mais importante: leve em consideração o que dizem todos esses textos, não apenas um ou dois, sob o risco de tangenciar o tema e não abordar profundamente questões consideradas importantes.

Uma boa estratégia nesse sentido é listar, a cada leitura, as ideias centrais daquele texto. Fazendo isso com todos, ao final, você saberá exatamente o que abordar, sem deixar nenhuma questão relevante de lado.

Redigir períodos muito longos

Acredite, quanto maior uma frase, maiores também são as chances de ela conter algum erro gramatical ou de concordância. Ao redigir frases com mais de 25 palavras você pode se perder na linha de raciocínio, deixando-a confusa ou ambígua. E esse é um erro considerado grave pelos corretores.

Por essa razão, a dica aqui é tentar ao máximo encurtar as frases. Se perceber que redigiu um período longo demais, experimente "quebrá-lo" em dois ou três períodos menores, utilizando os já famosos operadores argumentativos para conectá-los de maneira coesa. Dentre os mais usados, podemos citar:

  • Nem, e, também, não só... mas também, além disso, etc.
  • Logo, portanto, então, conseqüentemente, etc.
  • Mas, porém, todavia, embora, ainda que, apesar de, etc.
  • Ou... ou, quer... quer, seja... seja, etc.
  • Mais que, menos que, tão... quanto, tão... como, etc.
  • Pois, porque, que, etc.
  • Agora, ainda, já, até, etc.
  • Isto é, em outras palavras, seja, etc.
  • Quase, apenas só, somente, etc.

Escrever em primeira pessoa do singular

Por mais que a expressão de suas opiniões pessoais seja item obrigatório na redação do Enem, nunca se esqueça de que a estrutura textual exigida é dissertativa. Ou seja, não é permitido construir frases na primeira pessoa do singular, como "eu acho", "minha opinião" ou "no meu ponto de vista".

A estrutura dissertativa tem por característica principal o tom impessoal e objetivo e, por isso, sempre deve ser redigido na terceira pessoa do singular, ok?

Usar incorretamente palavras e expressões

Utilização equivocada de "mal" e "mau", "onde" e "aonde", "entrar" e "adentrar", bem como uso incorreto de crase estão entre os erros mais comuns cometidos pelos alunos na redação do Enem. Além disso, erros gramaticais e de concordância existem aos montes e, dependendo da frequência com que aparecem ao longo do texto, podem prejudicar seriamente a sua nota final.

Por isso, fique atento a essa questão. Uma excelente dica para melhorar o seu vocabulário e, de quebra, a sua capacidade de conectar argumentos de maneira coesa, é ler bastante. Jornais, revistas e blogs do seu interesse também contam, mas nesse sentido, o melhor mesmo é eleger livros de literatura em geral, que contam histórias mais densas e aprofundadas e exercitam sua capacidade de compreensão e interpretação textual.

Quais são os segredos dos alunos que tiraram 1000?

Como já contamos aqui, milhares de alunos zeram a redação do Enem todos os anos. Entretanto, por outro lado, existem aqueles que conseguem a nota máxima nessa parte da prova.

E, como já era de se imaginar, eles são pouquíssimos, quando se leva em consideração o número total de redações corrigidas todos os anos. Para você ter uma ideia, em 2015, apenas 104 pessoas conseguiram essa façanha, de um total de mais de 5 milhões de redações.

Quais são os segredos deles? Seriam eles superdotados ou possuidores de algum talento especial? Nada disso! Fomos atrás das estratégias utilizadas por esses alunos e listamos todas aqui, para que você possa se inspirar!

Eles treinam muito

Essa dica é até meio óbvia, não é mesmo? Afinal, qual a melhor maneira de aprender a fazer algo perfeitamente, se não treinando muito? Por isso, se você deseja estar entre o seleto grupo de pessoas que tiram nota 1000 na redação do Enem, trate de arregaçar as mangas e escrever!

A maioria dos alunos que já gabaritaram a redação relata que faziam, no mínimo, uma redação por semana. Você pode treinar escrevendo sobre temas dos anos anteriores do Enem (facilmente encontrados na internet), para já criar familiaridade com o estilo de proposta. Além disso, sempre peça para que alguém que domina o assunto leia o seu texto e o corrija.

Se você faz cursinho ou estuda em uma escola que possui monitoria de redação, não desperdice essa oportunidade! Leve os seus textos para o monitor e descubra onde está errando e acertando. Acredite, a cada semana seu nível estará mais alto!

Eles estão sempre atualizados

É quase certo que o tema proposto para a redação do ENEM desse ano estará relacionado a algum acontecimento ou fato que tenha ocorrido, no Brasil ou no mundo, nos últimos 12 meses. Por isso, para se sair bem, é mais do que necessário estar por dentro do que acontece ao seu redor, certo?

Os alunos que atingiram a nota máxima na redação são capazes de falar sobre todo e qualquer assunto que esteja em voga ultimamente. Seja como eles! Tenha o costume de ler jornais, revistas e portais de notícias com frequência. Entretanto, tenha cuidado com as fontes de suas leituras, ok?

Há muito conteúdo falso ou tendencioso na internet, que pode te fazer criar uma ideia equivocada dos fatos. Por isso, busque sempre informar-se por meio de veículos idôneos e imparciais.

E mais importante do que estar atualizado e informado é ter uma opinião pessoal formada sobre cada um dos assuntos, ok? Isso porque para atingir a nota máxima, é necessário argumentar sobre o tema abordado, lembra? É exatamente isso que os alunos nota 1000 fazem com perfeição.

Eles estudam teorias e fazem conexões entre disciplinas

Essa estratégia é nível ninja e exige bastante motivação de sua parte. Mas acredite, caso deseje adotá-la, as chances de você conseguir uma nota altíssima na redação aumentam de maneira considerável.

Trata-se de estudar teorias de cunho filosófico e social e conectá-las com as mais diversas disciplinas. Leia autores consagrados, saiba a opinião deles sobre diversos temas e tente relacioná-las com assuntos atuais. É possível, inclusive, citar esses autores e o que eles disseram na redação. Isso mostra ao corretor que você possui bastante conhecimento.

Porém, só utilize essa estratégia se realmente conseguir conectar a fala do autor com o tema proposto, ok? Do contrário, você corre o risco de falar besteira e passar a impressão de que só está querendo impressionar o corretor, mas que não tem a menor ideia do que está dizendo.

Se você chegou até aqui, já deve estar plenamente convencido de que, independentemente do curso de graduação que você deseja ingressar, se dar bem na redação do Enem é item obrigatório para conseguir alcançar esse objetivo, certo? Por isso, não subestime todas as informações contidas aqui e coloque-as em prática agora mesmo!

Ao criar uma estratégia de aprendizado e aperfeiçoamento de seus textos, utilizando as dicas, sugestões e estratégias descritas ao longo desse post, com o tempo, você se tornará fera nesse assunto. Assim, poderá escrever sobre praticamente qualquer tema que seja proposto pela banca do exame, sem medo de errar! Acredite, você colherá os frutos dessas ações muito antes do que imagina!

E aí? Você gostou desse guia de redação do Enem? Acha que ele foi útil? Então, curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de todas as publicações e de todos os conteúdos relacionados a esse assunto! Em momentos de preparação para uma prova tão importante, toda a ajuda é bem-vinda.

New Call-to-action

ENEM

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.