BLOG DA GRADUAÇÃO

Fique por dentro das mudanças que a tecnologia trouxe para a Gestão Financeira

Como você já deve saber, no mercado financeiro tempo é dinheiro. Afinal, a economia, seja ela brasileira ou mundial, é movida por agilidade, segurança, transparência e, claro, muita competitividade. Nesse cenário, a Gestão Financeira não poderia deixar de ter a tecnologia como uma de suas grandes aliadas.

Gestão Financeira e tecnologia

Hoje, é praticamente impossível pensar nas transações cotidianas (consulta de salto, transferências e pagamentos) sem a utilização da tecnologia. Os bancos brasileiros já entenderam que seu público está mais exigente e antenado, por isso têm investido, cada vez mais, em recursos tecnológicos para melhor atendê-los.

De acordo com a pesquisa FEBRABAN de tecnologia bancária, o setor financeiro investiu mais de R$ 21,5 bilhões em Tecnologia da Informação no Brasil em 2014. Sendo que a maior parte desses investimentos (43%) foi destinada à compra e desenvolvimento de hardwares.

Se você ainda não acredita que a tecnologia é fundamental para a gestão financeira no mundo atual, leia esse texto até o final e veja como a tecnologia impulsionou a prática financeira dentro das principais empresas e organizações brasileiras.

Agilidade nas transações financeiras

Ir ao banco, fazer depósitos e retiradas ou consultar o saldo da sua empresa, é um cenário que pode não ser comum para muitas pessoas hoje. Porém, era assim que os gestores financeiros realizavam os seus pagamentos e faziam suas movimentações bancárias há alguns anos atrás. Nessa época, as transações, além de demoradas, eram extremamente burocráticas. Você precisava passar horas em uma fila para conseguir conversar com seu gerente, dependendo do valor que fosse movimentado.

Hoje, graças à tecnologia, uma transferência pode ser feita em questão de milissegundos e uma conta pode ser paga a qualquer hora e de qualquer lugar. E, claro, a consulta do saldo da empresa também.

 

As vantagens competitivas do tecnólogo em Gestão Financeira - UNIPE

 

Eficácia nos investimentos

Para atender a demanda dos negócios realizados na economia brasileira, as bolsas de valores, principalmente a BOVESPA, bolsa de São Paulo, precisam, também, estar cada vez mais preparadas para a modernidade. Há algum tempo, as compras e vendas de ações eram realizadas exclusivamente por atendimentos via telefone, o que garantia segurança, mas não agilidade, às negociações.

Hoje, um investidor pode atuar na compra e venda de suas ações, sem sair de casa, utilizando apenas o seu computador ou telefone móvel. Além disso, profissionais de gestão financeira de todo o país podem acompanhar os números do mercado, como a valorização ou desvalorização da moeda nacional em tempo real, garantindo maior assertividade em seus investimentos e transferências.

Segurança para as informações

Além da agilidade e da mobilidade, a tecnologia trouxe, também, para o mercado financeiro, segurança dos dados nas transações bancárias. A alta conectividade dos meios, a utilização de códigos de seguranças por SMSs e a própria biometria, são tecnologias que ajudam a evitar fraudes nas operações digitais e garantir acesso exclusivo a dados confidenciais da empresa, ou da pessoa física, por exemplo.

Em 2014, de acordo com a FEBRABAN, mais da metade (52%) das transações bancárias feitas no Brasil foi realizada via internet banking. Você consegue imaginar esse número em 2015? Com certeza ele aumentará a cada ano, pois as pessoas estão mais confiantes em relação ao uso das tecnologias.

E você? Tem habilidade com as tecnologias? Gosta de números, estatísticas e investimentos? Dê um UP na carreira com o curso de Gestão Financeira. E compartilhe sempre suas impressões conosco!  

As vantagens competitivas do tecnólogo em Gestão Financeira - UNIPE  

Gestao Financeira

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.