BLOG DA GRADUAÇÃO

Descubra os 8 assuntos que mais caem no Enem

Se você deseja constituir uma carreira sólida e pensa em fazer um curso superior, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) é uma etapa mais do que essencial. A comprovação disso é o grande número de inscrições que a prova recebe todo ano e a aceitação dela por parte de várias universidades federais e particulares.

O Enem é a mais importante porta de acesso ao ensino superior, seja através do SiSU (Sistema de Seleção Unificada), do Prouni ou do FIES. Criado em 1998, ele passou por diversas mudanças ao longo de sua história.

Atualmente, além de popular, ele também chama a atenção pelo conteúdo, que privilegia a capacidade interpretativa dos alunos nas quatro áreas de conhecimento abordadas — linguagens, ciências humanas, ciências da natureza e matemática.

Para ajudar você a se preparar da melhor forma possível para o exame, elaboramos um guia com os 8 assuntos que mais caem no Enem. Confira!

descubra-os-8-assuntos-que-mais-caem-no-enem.jpg

1. Meio Ambiente

Segundo um levantamento feito pelo Sistema Ari de Sá (SAS), 17% do conteúdo de geografia na prova de ciências humanas e suas tecnologias está relacionado ao meio ambiente.

Mais do que isso, questões ambientais ainda podem aparecer nas ciências naturais, por conta dos contextos abordados. Nesse caso, atente-se principalmente para a relação entre componentes químicos e a poluição.

Seguindo essa mesma lógica, o impacto ambiental causado pela interferência humana é um tópico constantemente explorado. Também é preciso focar na relação do homem com os agrotóxicos e a aceleração aquecimento global.

Ou seja, para estar preparado, você não só deverá elaborar um bom plano de estudo do ENEM, como também precisa estudar por meio da interdisciplinaridade. O intuito dessa iniciativa é saber aliar diferentes conhecimentos para criar uma visão mais aprofundada.

Uma reflexão sobre a sociedade, que está mais ligada à sociologia, pode ajudar bastante a entender melhor os danos causados pelo crescimento populacional e as consequências que isso traz ao meio em que vivemos.

Além de procurar saber mais sobre a intoxicação por mercúrio ou os efeitos do gás metano na camada de ozônio, tente analisar criticamente a opinião de diversos ambientalistas.

Veja dicas para se sair bem nesse assunto:

  • Alie a visão ecológica aos conceitos químicos para obter uma perspectiva interdisciplinar;
  • Procure ler, ouvir e assistir opiniões distintas sobre o ambientalismo e o aquecimento global;
  • Entenda a relação entre os impactos ambientais, a era da informação, a globalização e o crescimento industrial;
  • Saiba mais sobre como funciona o tratamento de água e esgoto no Brasil e no mundo;
  • Pesquise sobre a chuva ácida e seus efeitos;
  • Tenha uma boa noção sobre os diferentes climas e vegetações brasileiros e mundiais;
  • Avalie as diferentes manifestações que a poluição pode causar na humanidade;
  • Busque compreender melhor algumas iniciativas de preservação ambiental e o que elas trazem à biodiversidade.

O meio ambiente é um sistema complexo e, por isso, exige um olhar profundo sobre muitas disciplinas: ecologia, geografia, química e até mesmo sociologia. As dicas acima listadas contêm temáticas recorrentes nas questões desse grande assunto.

2. Atualidades

Muitos estudantes ficam perdidos quando escutam sobre a importância das atualidades no Enem. Embora possa parecer muito difícil à primeira vista, manter-se atualizado não é algo tão complicado.

Pense que basta direcionar alguns minutinhos do seu dia para ler e entender melhor sobre os acontecimentos nacionais e internacionais mais relevantes. A maioria dos jornais e periódicos apresentam versões online, facilitando o acesso de qualquer lugar do mundo.

Usar as redes sociais também é válido, sabia? Contudo, em vez de direcionar o tempo apenas para memes e outras distrações, siga as páginas de noticiários respeitados — como o El País, o The New York Times e tantos outros. Dessa forma, você receberá notificações sempre que algo acontecer.

Compreender o mundo atual é de extrema importância para a redação do Enem. Os temas que mais caem geralmente estão associados a discussões vigentes na sociedade.

Costumeiramente são tópicos polêmicos, que causam notáveis divergências na opinião pública: impeachment, aborto, legalização das drogas, feminismo, conceito de família, terrorismo, etc. Nenhum deles permite uma visão superficial. Para discuti-los é necessário estudar e olhar atentamente para vários lados da questão.

Entretanto, você não deve se deixar levar por discursos inflamados ou opiniões pessoais. Por isso, o contato com o texto jornalístico ou documental é recomendado. Afinal, presume-se que os veículos estão compromissados com a transmissão da informação acima de qualquer parcialidade.

De qualquer modo, leia fontes distintas sobre um mesmo assunto. A prática é válida para expandir suas chaves de compreensão e evitar a solidificação de algum ponto de vista.

Não saber daquilo que acontece à sua volta pode ser prejudicial em vários níveis. Além de comprometer seu desempenho na prova, você ficará sem saber de fatos e dados relevantes. Eles ainda lhe ajudarão a criar uma bagagem cultural e crítica, cuja importância se estende por toda a sua vida.

Portanto, fique de olho:

  • Nos movimentos sociais e suas respectivas reivindicações;
  • Em assuntos que comovem a sociedade;
  • Nas notícias que tiveram bastante peso no cenário internacional;
  • Em comemorações póstumas relativas a personalidades célebres, como escritores, inventores, cientistas, etc;
  • No impacto causado por determinadas inovações tecnológicas;
  • Em acontecimentos políticos e econômicos que ganharam bastante repercussão midiática.

Vivemos rodeados de informações instantâneas. Para atualizar-se nos dias de hoje, basta querer. Lance mão da tecnologia e informe-se bem a respeito dos fatos que mexem com a população.

descubra-os-8-assuntos-que-mais-caem-no-enem-.jpg

3. Literatura e interpretação de texto

A literatura e a interpretação de texto não só estão entre os assuntos que mais caem no Enem como também estão presentes em todo o exame. Não, você não leu errado! Por mais que existam perguntas específicas sobre tais temáticas, elas aparecem — ainda que de forma sutil, ao longo da prova.

Não à toa, uma das principais dicas para resolver questões do Enem é estar com a leitura em dia. Questões longas, com grandes enunciados, fazem com que muitos candidatos fiquem mentalmente cansados. Ou seja, quem está acostumado a ler bastante não sente essa dificuldade, comum a muitas pessoas.

Não há outra maneira de interpretar melhor qualquer tipo de linguagem do que se expor ao contato frequente com a mesma. Lembre-se: a prova também contempla a comunicação não-verbal, que é feita por fotos, tirinhas e afins.

Para estudar corretamente para a seção de linguagens e códigos, leia coisas que sejam do seu agrado e tente interpretá-las, pensar nos significados que elas têm. Não há nenhuma restrição, já que, para criar o hábito, é preciso recorrer a algo que você goste — mangás, graphic novels, quadrinhos, romances, fantasia… Vale tudo.

Reflita sobre estes aspectos em suas leituras:

  • Pense em como o autor "diz" coisas sem deixá-las explícitas, visíveis aos seus olhos;
  • Quando sentir algo — alegria, tristeza, angústia — tente identificar quais elementos do texto causaram essas emoções;
  • Busque compreender as possíveis referências externas ou internas feitas pelo escritor;
  • Nas imagens, olhe atentamente para as expressões dos personagens, suas falas ou para a formação do cenário.

É evidente que estudar a gramática do português facilita bastante. Entretanto, só as regras gramaticais não ajudam a obter uma compreensão profunda dos textos literários. Por outro lado, conhecer bem o funcionamento das figuras de linguagem é fundamental. Elas dão efeitos expressivos à língua escrita, deixando-a mais "viva" e emocionante.

Outra dica a ser levada em consideração é utilizar-se desses conhecimentos de interpretação no estudo dos movimentos estéticos — os famosos "ismos". Tente responder aos seguintes questionamentos:

  • Quais figuras são mais comuns no modernismo? Por quê?
  • Por qual razão e como os autores do romantismo deixavam seus textos e poemas mais "dramáticos"?
  • Qual a relação entre o bucolismo e o conceito de carpe diem?
  • Há diferença entre o eu lírico e o escritor?
  • O que diferencia um poema de uma prosa?

Compare os romances que você gosta às notícias que lê para entender as atualidades. Veja as principais diferenças entre o tom e os artifícios utilizados em cada registro. Não se esqueça: dedicar-se a esse assunto significa ler constantemente. Como já dito, "só" conhecer a gramática não trará nenhuma garantia.

Como recompensa, você obterá um melhor desempenho nesse assunto e ainda verá a escrita da redação melhorar. Além do mais, a leitura tem benefícios ótimos, como melhorar o funcionamento do cérebro e estimular a criatividade.

4. Política

Poucos assuntos cairão tanto no Enem 2017 quanto a política. A tendência é facilmente explicada pelas intensas movimentações no cenário político nacional durante este ano e o ano passado.

Com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o mandato de Michel Temer e as eleições presidenciais de 2018, o debate está aquecido em torno do governo brasileiro.

Diferentemente do que acontece nos papos com a família, com os amigos e nas redes sociais, o ideal é que você seja ponderado na prova. Por mais que você tenha opiniões bastante definidas sobre o tema, saiba se desvincular delas na hora de redigir ou responder.

O exame não almeja saber a sua opinião. Ele quer um raciocínio bem elaborado acerca dos fatos apresentados. Para isso, manter-se atualizado e interpretar bem um enunciado são requisitos imprescindíveis. Se ficou com alguma dúvida em relação a esses assuntos, releia os tópicos 2 e 3 deste post.

A política externa é um assunto que também pode aparecer. Ela geralmente surge relacionada ao terrorismo ou à economia. A questão da Palestina também é frequente. Deixe os rótulos de direita e esquerda para trás e evite argumentar embasado em suas convicções.

O ideal é estar por dentro das atualidades e conhecer bem a história geral e a do Brasil. Temáticas políticas dificilmente caem sem estabelecer relações com outras disciplinas. Então é bem provável que apareçam perguntas associadas a geopolítica, sociologia e filosofia.

Pense que uma situação política vai além das votações na urnas. Os problemas urbanos, a cidadania e a situação rural brasileira são assuntos políticos, pois envolvem o bem-estar da população e as condições que a resguardam.

Resumidamente, tudo que é público é político. Portanto, conhecimentos temáticos aparecerão em perguntas que demandam reflexão por parte do candidato. A redação, aliás, dificilmente se dissocia de um pensamento que é, entre outras coisas, político.

Sendo assim, apresente argumentos bem fundamentados para fazer afirmações, respeitando os direitos humanos acima de tudo.

New Call-to-action

5. Brasil colônia

O chamado "Brasil colônia" nada mais é do que o período da história nacional que vai de 1500 a 1815. Também chamado de "Brasil colonial", ele abrange três séculos. Durante essa época, o atual território brasileiro era uma colônia do império ultramarino de Portugal — ou seja, o terreno nacional pertencia aos portugueses.

Antes da dominação dos europeus — processo iniciado em 1500, com a chegada de Pedro Álvares Cabral — o Brasil era habitado por indígenas. Com o tempo, diversos fatores foram alterando de maneira significativa a formação da "nação brasileira":

  • A mão de obra escrava;
  • A disseminação da língua portuguesa;
  • A miscigenação de diversas etnias — escravos africanos, brancos europeus e índios locais;
  • A economia latifundiária, na qual grandes porções de terra pertenciam a uma única família;
  • A monocultura, cujo principal objetivo era a plantação em larga escala de apenas um produto agrícola — o açúcar, no caso, predominou por muito tempo.
  • Os componentes acima referidos são os elementos mais característicos do período sob uma perspectiva geral. No entanto, alguns momentos específicos também merecem destaque:
  • As revoltas coloniais (Inconfidência Mineira em 1789, Conjuração Baiana em 1798, Guerra dos Mascates em Pernambuco e Insurreição Pernambucana);
  • A criação das capitanias hereditárias, em 1534, cujo intuito era fazer uma divisão territorial estratégica, privilegiando donatários específicos;
  • As invasões holandesas, entre 1630 e 1654, no nordeste, e as invasões francesas;
  • As ampliações territoriais além do Tratado de Tordesilhas;
  • O ciclo do ouro;
  • Entre outros.

O hábito de leitura, já mencionado acima, é fundamental para que você possa se sair bem nas questões de história. Não deixe de buscar conteúdos na internet, nos livros e em materiais didáticos.

Para ajudar nos estudos, faça uma linha do tempo e anote os fatos mais marcantes em ordem cronológica. Estude, aos poucos, cada um deles. Depois, estabeleça uma conexão entre os fatos e tente compreender as causas e as consequências de cada ocorrência.

Os acontecimentos históricos são resultados de muitas coisas. Certas vezes, eles não apresentam uma lógica exata. Portanto, não há como compreendê-los sem uma visão voltada para o todo: estudar cada detalhe valerá a pena.

6. Mecânica

A física pode ser um das disciplinas mais rejeitadas pelos estudantes. Ainda assim, ela é um importante componente do caderno de ciências da natureza e suas tecnologias.

Entre seus mais variados assuntos e conceitos, pode-se constatar que a mecânica é um conteúdo bastante recorrente. Esse campo de estudo lida com o movimento dos corpos — ele trata, inclusive, dos movimentos realizados pelos corpos celestes.

Para mandar bem nesse assunto você deve absorver bem as teorias. Algumas dicas de como memorizar a matéria estudada podem ser consideravelmente úteis. Apesar disso, você precisa compreendê-las em vez de decorá-las.

Depois, aplique-as em exercícios que exijam a prática. Teste as fórmulas e faça a operação de determinados cálculos. É fundamental levar em conta que o Enem, por se aproximar do cotidiano, tentará enquadrar as teorias em problemas que sejam próximos da realidade.

Entretanto, isso não significa que as perguntas de viés mais teórico não estarão presentes. Sendo assim, esteja com a matemática em dia e olhe para as leis físicas buscando entendê-las em sua essência.

Os princípios fundamentais da mecânica clássica são as famosas três leis de Newton:

  1. Também conhecida como "lei da inércia", a primeira lei de Newton enuncia que um "um corpo em repouso tende a permanecer em repouso, e um corpo em movimento tende a permanecer em movimento". Ou seja, um corpo só altera seu estado de inércia quando algo ou alguém aplica nele uma força;
  2. A "lei da dinâmica" diz que a aplicação de uma força igual em dois corpos de massas diferentes não apresenta os mesmos resultados em termos de aceleração. Sua fórmula resumida é "F=m.a";
  3. A terceira e última é popularmente chamada de "lei da ação e reação". Ela pressupõe que toda força, quando aplicada, recebe uma força de reação cujo módulo e direção são iguais, mas age no sentido oposto. É possível enunciá-la da seguinte maneira: "as forças atuam sempre em pares e, para toda força de ação, existe uma força de reação".

descubra-os-8-assuntos-que-mais-caem-no-enem.gif

7. Citologia

A citologia, comumente chamada de biologia celular, é a ciência responsável pelo estudo das células. Nela, o foco é acompanhar a formação estrutural da célula e o seu funcionamento — esse estudo abrange do que elas são constituídas e o que fazem a partir disso.

A célula pode ser compreendida como a unidade fundamental da vida. Todos os seres vivos, com exceção dos vírus, são compostos de unidades celulares. Para se aproximar mais dessa estrutura microscópica, pense em uma fábrica.

Em uma produção fabril, cada setor tem sua parcela de colaboração. Há o pessoal da montagem, do acabamento e assim por diante. Todos eles são importantes para que os produtos sejam finalizados.

Partindo dessa analogia, é imprescindível conhecer quais são essas partes ou divisões. Uma célula animal como a humana, por exemplo, é assim formada:

  • Membrana plasmática, que controla tudo o que entra ou sai das células;
  • Elementos externos à membrana;
  • Elementos internos à membrana.
  • Vale frisar que a constituição de cada célula pode variar de acordo com o tipo, a classe e a função dela. De forma resumida, existem duas classes mais comuns:
  • Procariontes: têm poucas membranas e o material genético não se separa do citoplasma;
  • Eucariontes: são complexas e apresentam muitas membranas. O núcleo é bem delimitado e envolto pela carioteca.
  • Se você deseja atingir uma boa pontuação nesse assunto, conheça bem a função de algumas organelas, como:
  • As mitocôndrias;
  • Os cromossomos;
  • O centríolo;
  • O Complexo de Golgi;
  • O citoplasma.

As perguntas dessa área aparecem relacionadas a algumas noções de genética. Dessa forma, atente-se às duas leis de Mendel:

  1. Lei da segregação dos fatores (monoibridismo);
  2. Lei da segregação independente (diibridismo);

8. Geometria

A matemática é uma matéria temida por muitos estudantes. Se você também sente frio na barriga só de pensar em equações, acalme-se! O Enem é uma excelente oportunidade para reverter esse panorama.

No exame, os questionamentos muitas vezes envolvem mais letras do que números. Portanto, a tradicional paciência com o enunciado deve ser mantida. Evite fazer deduções rápidas para ganhar tempo e partir logo para os cálculos.

Um dos ramos matemáticos mais cobrados é a geometria. Os objetos estudados pela disciplina são as figuras geométricas —como quadrados, triângulos e círculos, por exemplo. Ou seja, ela lida, principalmente, com as medidas.

Para entendê-la mais a fundo, absorva estes conceitos:

  • Ponto: não possui dimensão e determina uma localização. É indicado por uma letra maiúscula;
  • Reta: representada por uma letra minúscula, ela possui o comprimento como dimensão. Pode ser horizontal, vertical ou inclinada. Quando duas ou mais retas se cruzam, elas têm um ponto em comum e são chamadas de concorrentes;
  • Segmento de reta: é uma reta delimitada entre dois pontos específicos;
  • Plano: é uma superfície plana de duas dimensões — comprimento e largura. As figuras geométricas estão inseridas em um plano;
  • Ângulo: trata-se do resultado gerado pela união de dois segmentos de reta a partir de um ponto em comum — o vértice;
  • Área: a área de uma figura expressa o tamanho da sua superfície;
  • Perímetro: corresponde à soma de todos os lados de uma figura.
  • Existem, ainda, as figuras geométricas mais frequentes, que sempre aparecem nos exercícios:
  • Triângulo: é uma figura plana e fechada de três lados e três segmentos de reta. Pode ser equilátero (lados e ângulos iguais), isósceles (dois lados e dois ângulos congruentes) ou escaleno (todos os lados e ângulos diferentes);
  • Quadrado: tem os quatro lados iguais e quatro ângulos de 90º;
  • Círculo: figura "redonda", caracterizada por unir todos os pontos de um plano;
  • Retângulo: seus dois lados verticais são paralelos, assim como os horizontais. Todos eles formam ângulos retos (com 90º);
  • Outros — como trapézio, losango, hexágono, etc.

Ter um bom desempenho depende de organização e aplicação. Estudando regularmente você será capaz de superar suas dificuldades.

Um dos objetivos da avaliação é integrar os variados campos de conhecimento. Sendo assim, faça seus estudos relacionando os temas. Pouco a pouco, os assuntos que mais caem no Enem serão melhor compreendidos e você arrasará no dia da prova.

Você gostou deste post? Quer receber outras dicas como essas? Então curta nossa página no Facebook e não perca nenhuma das nossas postagens!

New Call-to-action

ENEM

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.