BLOG DA GRADUAÇÃO

Descubra as principais áreas da Ciência da Computação

Depois de ter passado pelo vestibular, é hora de escolher qual curso você fará pelos próximos anos. E muitos já até fizeram essa opção, mas não sabem bem em quais setores poderão atuar no futuro.

No campo da tecnologia, por exemplo, podemos citar as principais áreas da Ciência da Computação. Uma profissão que vem crescendo exponencialmente nos últimos anos, e que pode proporcionar uma carreira de muito sucesso para quem decide segui-la.

Por isso, vale a pena conhecer mais afundo as possibilidades que ela oferece. Então, se você ainda está em dúvida, continue a leitura e esclareça as suas principais questões sobre a profissão de cientista da computação!

descubra-as-principais-areas-da-ciencia-da-computacao.jpg

1. Especialista em Big Data

Sabemos que, com a globalização do mercado, a internet passou a ser uma fonte inesgotável de informações para as empresas. Detalhes sobre o consumidor, hábitos de compra, necessidades e outros milhares de dados estão acessíveis por meio de um clique.

No entanto, existem também aqueles materiais que não são tão úteis para determinada empresa, e é justamente aí que entra o trabalho do especialista de Big Data.

Esse profissional é responsável por interpretar os dados e transformá-los em ferramentas para que as empresas tomem decisões certas. Inclusive, os maiores empregadores, atualmente, são as empresas de pesquisa de mercado.

Contudo, muitas organizações de diferentes setores — como agronegócio, financeiro, e cosméticos — também têm contratado esse profissional para garantir maior eficácia e gerar mais dividendos para o negócio.

2. Gerente de projetos de TI

Como uma das competências aperfeiçoadas durante a graduação em Ciências da Computação está relacionada ao desenvolvimento de softwares e programas, o profissional que se forma na área está apto a atuar como gestor de projetos de TI. Mas, para exercer o cargo, é preciso ter muito mais do que habilidades técnicas.

Como o gestor de projetos de TI é o responsável direto por um grupo que inclui desenvolvedores, analistas de sistemas, programadores e outros profissionais da área, é preciso que ele tenha uma capacidade humanística avançada.

Ele é quem definirá as tarefas de cada um bem como fará a gestão das atividades.

E, como a maioria das organizações, hoje, tem um setor voltado para o TI, o mercado para o profissional que decide se especializar na área é bastante promissor. Em grandes centros, como São Paulo, os salários iniciais podem chegar a R$ 8.526,09.

3. Desenvolvedor de aplicativos

Não há dúvida quanto ao crescimento no uso de smartphones e outros dispositivos móveis: segundo pesquisa da FGV, já são 244 milhões em utilização no Brasil. E, diante disso, o trabalho de um desenvolvedor de aplicativos se tornou primordial.

Esse profissional é o principal responsável por criar e desenvolver um software que ajudará o usuário do dispositivo a exercer uma tarefa determinada. Como exemplo, pode até citar o Instagram — quem é que não usa este aplicativo?

De fato, a profissão ainda está engatinhando no país: muitos apps ainda vêm do exterior. Contudo, a promessa é que nos próximos anos o número de vagas no setor cresça bastante.

4. Analista de sistemas

Como sabemos, as máquinas só têm as características atuais pois o homem foi capaz de desenvolvê-las, aprimorando suas funcionalidades. E é o profissional de análise de sistemas o responsável por analisar projetos de sistemas, bem como desenvolvê-los.

Ele ainda levanta requisitos e faz o mapeamento dos processos, com o intuito de solucionar problemas técnicos nos sistemas e softwares. Ou seja: ele é quem elabora os manuais para que os equipamentos sejam bem aproveitados.

Nesse sentido, como seu trabalho envolve a administração da rede e do banco de dados, e ele ainda é o primeiro a ser requisitado quando a equipe precisa de um suporte, a vaga é garantida no mercado.

Aliás, a área de tecnologia, como um todo, tem crescido muito nos últimos anos — principalmente graças ao boom das startups.

Baixar ebook

5. Engenheiro de softwares

Assim como o desenvolvedor de aplicativos, o engenheiro de softwares dedica-se à criação, só que neste caso de programas e sistemas computacionais. É ele quem também cuida da manutenção destas ferramentas, bem como implanta melhorias.

E, como se trata de uma área que muda com rapidez, é necessário que o profissional que seja bastante dinâmico e tenha um raciocínio lógico bem desenvolvido, além de conhecimento amplo em matemática.

Aliás, para quem quer se especializar na área de engenharia de software encontrará pela frente um mercado repleto de oportunidades.

O Estudo Mercado Brasileiro de Software e Serviços 2016 mostrou que o setor de TI cresceu 9,2% em 2015. Sendo que o Brasil ficou em 1º lugar na América Latina em investimentos — cerca US$ 59,9 bilhões.

6. Empreendedor

O crescimento das startups no país abriu oportunidades também para que empreendedores de setores variados colocassem em prática as suas ideias. E a área de TI foi uma das que mais se beneficiou do momento. Hoje, já existem aceleradoras que investem especificamente no setor.

Então, se você está pensando em Ciências da Computação, mas também tem uma veia empreendedora, pode apostar no próprio negócio! Para isso, invista na sua formação técnica para, depois, poder desenvolver aspectos administrativos da sua personalidade.

De toda forma, é preciso ter uma visão crítica do mercado e enxergar onde está a oportunidade. Como o setor está em franca expansão — e que promete se intensificar nos próximos anos — é bom já ir se preparando.

7. Docência ou pesquisa

Sim, você pode ser professor mesmo tendo se formado em Ciências da Computação. Se o seu instinto estiver mais voltado para a teoria, vale a pena investir no ramo!

Aliás, mesmo gostando mais da prática, ainda é possível atuar na área por meio das pesquisas. Assim, você conseguirá aplicar seus conhecimentos e desenvolver projetos que servirão de base para os futuros cientistas.

Enfim, algumas características são comuns em todos os cargos que apresentamos — como a curiosidade, já que o mercado está em constante mudança. Além disso, é preciso gostar de matemática, pois boa parte das disciplinas envolve cálculos.

No mais, é preciso buscar sempre o aperfeiçoamento como profissional. Por isso, investir em especialização nunca é demais!

E então, decidiu qual das áreas da Ciência da Computação você seguirá? Esperamos que sim. E agora, se quiser saber mais sobre carreira e o setor não deixe de seguir a nossa página no Facebook!

Baixar ebook

Ciencia da Computacao

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.