BLOG DA GRADUAÇÃO

Curso tecnológico é graduação? Descubra tudo sobre essa modalidade

A escolha do que cursar no ensino superior envolve diversas questões: carreira, instituição, modalidade de ensino. Vários fatores devem ser considerados para essa decisão.

Atualmente, fala-se bastante em cursos tecnológicos. Mas, tendo em vista o seu pequeno prazo de duração, muitas dúvidas surgem a respeito de sua validade e até mesmo se o curso tecnológico é graduação.

Preparamos este post para esclarecer as suas dúvidas sobre o assunto. A seguir, saiba tudo sobre ele!

curso-tecnologico-e-graduacao-descubra-tudo-sobre-essa-modalidade.jpg

O que é o curso tecnológico?

Para responder de forma bem direta, o curso tecnológico é uma graduação. Ele é assim reconhecido pela Resolução do Conselho Nacional de Educação/CP nº 13, também referido como “curso superior de tecnologia”.

Esses cursos têm os mesmos requisitos de qualquer outra graduação: exige a formação no ensino médio e a aprovação em processo seletivo. Quem se forma nesse tipo de curso recebe o título de tecnólogo — mas não confunda tecnólogo com quem fez curso técnico ou trabalha na área de tecnologia.

Pode ser feito por pessoas que buscam a primeira graduação, querem mudar sua área de atuação ou procuram se aperfeiçoar em determinado ramo de trabalho.

Os cursos tecnológicos são mais voltados para uma área específica de aplicação científica. Ou seja, têm seu ensino voltado para a prática e, muitas vezes, mais profundidade na teoria. Porém, a área de estudo é mais restrita.

Uma das grandes vantagens desse curso é a sua duração, que costuma ser de 2 a 3 anos. Assim, o ingresso no mercado de trabalho com formação superior é mais rápido.

Mas, apesar da curta duração ser um grande atrativo — afinal, já foram longos anos de estudo até o fim do ensino médio —, é importante saber que as matérias tratadas são bastante específicas, o que faz com que a atuação desse profissional acabe sendo mais limitada.

Por isso, é importante analisar se você já tem uma ideia definida da carreira e vida profissional que deseja.

De todo modo, há também a limitação das áreas trabalhadas na faculdade: essa formação especializada permite um aprofundamento maior nas matérias essenciais, além de focar nas atividades práticas da carreira, o que já traz uma grande experiência durante o curso.

Essa experiência dá segurança no início da profissão e é, de certa forma, mais estimulante, porque o foco do ensino é nas matérias que serão necessárias para a prática, sem ter que preparar o estudante para os diversos caminhos que uma carreira da graduação tradicional pode oferecer.

Os cursos tecnológicos abrangem as seguintes áreas:

  • Ambiente e saúde;
  • Apoio escolar;
  • Controle e processos industriais;
  • Gestão e negócios;
  • Hospitalidade e lazer;
  • Informação e comunicação;
  • Infraestrutura;
  • Militar;
  • Produção alimentícia;
  • Produção cultural e design;
  • Produção industrial;
  • Recursos naturais;
  • Segurança.

O diploma de um tecnólogo é igual ao de qualquer outro curso de graduação e garantirá oportunidades da mesma forma que acontece com as pessoas que optam por cursos de graduação “tradicional”.

New Call-to-action

Qual a diferença em relação à graduação "tradicional"?

A primeira diferença visível entre os dois cursos é o tempo. A graduação tradicional tem duração de 3 a 6 anos e a tecnológica de 2 a 3 anos.

Outra diferença é em relação à formação e conteúdo. O curso tradicional busca uma formação mais ampla do aluno, com ensinamentos teóricos que abrangem mais áreas, apesar de também trabalharem com a prática.

A titulação dos cursos também é diferente: na graduação tradicional o aluno pode optar por bacharelado ou licenciatura. Os cursos de bacharelado, por exemplo, são procurados por quem busca uma visão geral da área escolhida, o que permite várias opções de atuação.

A graduação tradicional apresenta mais opções de cursos, que abrangem as mais diversas áreas: administração, arquitetura e urbanismo, ciências contábeis, direito, engenharia (em diversas modalidades), farmácia, jornalismo, medicina, publicidade e propaganda, entre outros, podendo ser ofertados em modalidade presencial ou ensino à distância.

A grande diferença da formação tecnológica é o foco na prática. Como o curso é mais específico, é ensinada a teoria necessária e logo já é iniciada a aplicação dos conhecimentos.

Desse modo, enquanto a graduação tradicional permite a atuação em diversas áreas após a formação, a tecnológica traz um ensino mais especializado e prático, preparando para a atuação em determinada esfera.

Quais são as dúvidas mais comuns sobre o curso tecnológico?

Conforme explicado, existem algumas diferenças entre a graduação tecnológica e a tradicional.

Enquanto a primeira é mais específica e voltada a aspectos práticos da profissão, com tempo de duração mais curto, a tradicional oferece um conhecimento e atuação mais amplos, com uma maior duração.

Diante disso, é normal surgirem dúvidas a respeito do assunto. Acompanhe as dúvidas mais comuns e os esclarecimentos:

O curso tecnológico exige algum complemento?

Não. Porém, caso o estudante queira complementar, é possível a realização de outros cursos ou até mesmo ingressar em outra graduação e buscar a eliminação de matérias que já tenham sido cursadas.

curso-tecnologico-e-graduacao-descubra-tudo-sobre-essa-modalidade.gif

Posso fazer pós-graduação após me formar em um curso tecnológico?

Sim. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação — Lei nº 9.394/1996 — garante ao formado em curso superior de tecnologia o ingresso em especialização, mestrado ou doutorado.

O curso tecnológico vale como graduação para concurso público?

Não há vedação à prestação de concurso público por quem tem graduação tecnológica. Contudo, pode haver concursos que não aceitem esta formação.

Por isso é importante ler atentamente o edital — alguns concursos podem vedar a graduação tecnológica por considerá-la um curso de curta duração.

Se o edital solicitar apenas formação em curso superior ou graduação, a pessoa formada em curso tecnológico cumprirá os requisitos para prestar o concurso.

Porém, caso haja previsão no edital solicitando formação específica em licenciatura e/ou bacharelado, o tecnólogo não estará apto. Ou seja, é o edital que determinará a possibilidade de prestação do concurso pelo tecnólogo.

Qual tipo de graduação devo escolher?

Para escolher é preciso definir quais são os seus objetivos para ver qual tipo de graduação atende às suas necessidades.

A graduação tradicional oferece um ensino mais amplo, aumentando as possibilidades de especialização. Porém, tem um tempo de duração maior e pode abordar durante o curso assuntos que não serão utilizados na prática pelo profissional.

Já a graduação tecnológica traz um retorno imediato pela sua curta duração e é uma boa escolha para quem já tem uma área de atuação específica em mente, mas a longo prazo o campo de atuação pode se tornar restrito.

De qualquer modo, as duas modalidades permitem o ingresso em cursos de pós-graduação, o que concede a ampliação do conhecimento e possibilidades de atuação do profissional.

Assim, o mais importante na hora de decidir que curso fazer é analisar com calma todas as opções para saber qual curso e modalidade de graduação se encaixa no seu perfil.

E aí, gostou do texto? Agora que você já sabe que o curso tecnológico é graduação e tirou suas dúvidas, aproveite para curtir a nossa página no Facebook e acompanhar nossas postagens!

New Call-to-action

Institucional, Curso tecnológico

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.