BLOG DA GRADUAÇÃO

As 11 áreas da Fonoaudiologia mais curiosas

Você sabe o que faz um fonoaudiólogo? Basicamente, ele é o profissional que integra equipes multidisciplinares para prevenir, avaliar e aplicar terapias relacionadas a alterações na fala, voz, audição, funções da mastigação e deglutição.

Muita gente acredita que o campo de atuação desse profissional é um tanto limitado, porém, isso não é verdade. Além da capacidade de interpretação, análise, concentração, perseverança e sensibilidade, o fonoaudiólogo deve ser paciente, criativo, objetivo e ter um bom relacionamento interpessoal para conseguir atuar no seu mercado de trabalho, que possui 11 áreas de atuação.

Então, quer saber mais sobre essas áreas da fonoaudiologia? Confira agora o nosso artigo completo, e entenda mais sobre essa profissão!

as-11-areas-da-fonoaudiologia-mais-curiosas.jpg

1. Audiologia

A Audiologia é a área da Fonoaudiologia responsável por diagnósticos, prognósticos e pelo estabelecimento de tratamentos que influenciam na conduta de outros profissionais da saúde, como pediatras, neurologistas, clínicos gerais e outros mais.

Nesse sentido, o objetivo do fonoaudiólogo especialista em Audiologia é prestar os serviços de prevenção, identificação e avaliação dos problemas relacionados à audição. É ele que faz a seleção e avaliação dos aparelhos de amplificação sonora, por exemplo, além da habilitação ou reabilitação oral de pacientes que tiveram perda auditiva.

2. Fonoaudiologia Educacional

Já o fonoaudiólogo educacional pode fazer parte da equipe pedagógica de uma instituição educacional. Ele agrega conhecimentos a respeito da comunicação humana, além de discutir as estratégias educacionais que podem melhorar os processos de ensino e de aprendizagem.

Diante disso, essa área de atuação da Fonoaudiologia permite que o profissional trabalhe em secretarias municipais e estaduais de educação, além de escolas — tanto da rede pública quanto do setor privado — sistemas de ensino, assessoria e empresas de consultoria. Sua atuação, portanto, está apta para todos os níveis e modalidades de ensino.

3. Linguagem

Dentro da Fonoaudiologia, a Linguagem é a área que trabalha com todos os aspectos que envolvem a comunicação oral e escrita. De modo geral, o objetivo do profissional que trabalha com linguagem é proporcionar bem-estar e inclusão social para a pessoa que tenha algum distúrbio de linguagem.

Desde pequenos, somos expostos à linguagem, e o desenvolvimento dessa linguagem se dá desde a infância até a idade adulta. Quem possui problemas de comunicação, que envolvem expressão e compreensão, pode acabar tendo dificuldades em sua integração social e profissional.

Portanto, é papel do fonoaudiólogo que atua nessa área fazer o estudo, prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento dos transtornos relacionados à linguagem, como a gagueira, por exemplo.

4. Motricidade Orofacial

A quarta área de atuação do fonoaudiólogo é a Motricidade Orofacial. Aqui, cabe ao fonoaudiólogo habilitar e reabilitar as funções que estão relacionadas à mastigação, sucção, respiração, deglutição, articulação da fala e à expressão facial. Basicamente, a Motricidade Orofacial propicia melhores condições na vida das pessoas e em seus processos de comunicação.

Nessa especialidade, o trabalho do fonoaudiólogo pode ser feito em parceria com outros profissionais, como médicos, fisioterapeutas, dentistas, enfermeiros, psicólogos e terapeutas ocupacionais.

Baixar ebook

5. Saúde Coletiva

O profissional de Fonoaudiologia que trabalha com Saúde Coletiva tem como objetivo a construção de estratégias de planejamento e gestão em saúde — sempre dentro do campo fonoaudiológico. No geral, elas visam intervir nas políticas públicas, por meio de ações que envolvam prevenção, educação e intervenção a partir do diagnóstico identificado em grupos populacionais.

6. Disfagia

A disfagia é uma alteração na deglutição, ou seja, no ato de engolir — tanto alimentos quando a saliva. Apesar de não é considerada uma doença, a disfagia é um sintoma que aponta um problema no ato de engolir, e que pode estar relacionado a diversos fatores.

Então, cabe ao fonoaudiólogo identificar qual é o problema relacionado a disfagia: câncer, intubação orotraqueal prolongada, acidente vascular cerebral, demência, trauma na cabeça ou pescoço, e outros mais.

Nesse sentido, o profissional que atua na área da disfagia é responsável tanto por identificar o diagnóstico quanto por fazer a intervenção do problema.

7. Voz

Cada ser humano é único, assim como a sua voz. É ela que representa a identidade de cada indivíduo, pois, por meio dela ele expressa os seus sentimentos e ideias.

Produzida pelas pregas vocais, a voz pode sofrer alterações quando estas não estão funcionando corretamente. E esse mau funcionamento faz com que a voz fique rouca, abafada ou em tom de sopro, o que acaba prejudicando a vida social e profissional das pessoas.

Cabe, então, ao fonoaudiólogo que atua com voz fazer a avaliação e o tratamento da voz — a fala, o canto e os padrões vocais.

8. Fonoaudiologia Neurofuncional

Algumas pessoas, ao longo de suas vidas, passaram por diferentes alterações neurofuncionais que afetaram, de uma forma ou de outra, o sistema nervoso central ou periférico — impactando diretamente na sua capacidade fonoaudiológica.

Diante disso, o fonoaudiólogo que atua em Fonoaudiologia Neurofuncional faz a avaliação, diagnóstico, prognóstico, habilitação e reabilitação dessas pessoas que tiveram problemas neurofuncionais que prejudicaram a maneira como elas se expressam e se comunicam.

9. Fonoaudiologia do Trabalho

O fonoaudiólogo que trabalha com a Fonoaudiologia do Trabalho promove mudanças na maneira como o trabalho se organiza, priorizando a saúde e a melhoria constante da comunicação humana.

Assim, ele desenvolve programas de prevenção ocupacional, implementa programas relacionados a qualidade de vida e de trabalho, além de detectar e diagnosticar os riscos fisiológicos presentes nas organizações.

Também faz parte da rotina do fonoaudiólogo do trabalho possibilitar que os colaboradores de uma organização consigam permanecer em suas funções com conforto, e sem riscos para sua voz e audição. Esse profissional encontra um vasto campo de trabalho e atuação em organizações que lidam com comunicação e telecomunicação.

10. Gerontologia

Com o passar dos anos, nós humanos acabamos por perder algumas capacidades que temos quando ainda somos jovens. Na terceira idade, nós podemos nos deparar com problemas relacionados à audição, fala, linguagem, equilíbrio, deglutição, motricidade e voz.

Então, o fonoaudiólogo que atua na área da Gerontologia faz uma série de trabalhos relacionados à promoção da saúde do idoso, avaliando, prevenindo, diagnosticando, habilitando e reabilitando os distúrbios comuns nessa fase da vida.

11. Neuropsicologia

Por fim, uma das mais recentes áreas da fonoaudiologia é a Neuropsicologia. O fonoaudiólogo que atua nela está apto a avaliar e tratar uma série de distúrbios que acabam afetando a comunicação e sua interface com a cognição.

Dessa forma, o trabalho desenvolvido pelo fonoaudiólogo pode ser feito tanto com crianças quanto com adultos que tenham alterações cognitivas decorrentes de disfunções do Sistema Nervoso Central — sendo por desenvolvimento atípico ou até mesmo por disfunções adquiridas.

Bom, essas são as 11 áreas da Fonoaudiologia em que o profissional pode atuar. E aí, gostou de saber mais sobre essa profissão e suas possibilidades de atuação no mercado? Então aproveite para curtir a nossa página no Facebook e tenha acesso a outras informações sobre o curso de Fonoaudiologia!

Baixar ebook

Fonoaudiologia

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.