BLOG DA GRADUAÇÃO

5 habilidades necessárias para ser um cientista da computação

A tecnologia é uma das áreas mais promissoras do mercado de trabalho. Com a popularização de ferramentas de TI e dos serviços baseados em internet, pessoas com conhecimento profundo na área já são requisitadas em empresas de todos os setores. E como quem trabalha na área dificilmente fica sem emprego, muitos jovens que gostam de computadores, jogos digitais e tecnologia já aspiram uma carreira como cientista da computação.

Quais são as habilidades necessárias para ser um profissional de ciência da computação? Como é a graduação do curso de Ciências da Computação? Saiba a resposta para essas perguntas no nosso texto de hoje!

5-habilidades-necessarias-para-ser-um-cientista-da-computacao.jpg

O que este profissional faz?

O cientista da computação é um profissional com um diploma de graduado em Ciências da Computação. Ele consegue trabalhar em praticamente todas as áreas relacionadas à tecnologia. Lembre-se: essa é uma formação acadêmica que vai a fundo em tópicos computacionais enquanto intercala aulas de outras áreas de conhecimento.

Uma das áreas de atuação mais populares dessa profissão é o desenvolvimento de sistemas desktop e móveis. Todo mundo usa aplicativos no seu dia a dia. Na App Store, da Apple, por exemplo, o número de apps comprados já ultrapassou a marca de um bilhão.

Além do trabalho independente, quem gosta de desenvolver sistemas pode trabalhar em grandes empresas. Seja nas etapas de planejamento, especificação, desenvolvimento ou gestão, o profissional conseguirá definir uma estratégia capaz de criar uma ferramenta segura e de alta performance.

O cientista da computação é capaz de criar e manter toda a infraestrutura de TI de uma empresa. Ao término do curso, o estudante conseguirá criar programas, planejar uma infraestrutura de rede e desenvolver peças de hardware. Além disso, o profissional com uma boa formação pode gerenciar times de maneira proativa, definindo políticas de controle e manutenção de acordo com o perfil dos usuários.

O conhecimento em matemática que é adquirido durante o custo também facilita o trabalho em outras áreas. Tecnologias como Big Data, aprendizado de máquina e sistemas de inteligência artificial não funcionariam sem o auxílio de princípios matemáticos. O mesmo vale para a segurança digital: sem números primos, nossos sistemas seriam invadidos facilmente.

Quais as habilidades necessárias para ser um profissional da área?

Durante o curso de Ciências da Computação, o graduando adquirirá uma série de conhecimentos necessários para atuar na área. De álgebra linear a inteligência artificial, as matérias de uma graduação na área criam um profissional completo, capaz de resolver inúmeros problemas da humanidade com o auxílio da tecnologia.

Esses conhecimentos são desenvolvidos durante o curso, em matérias que passam pelos temas básicos a avançados, como teoria dos grafos.

1. Ter conhecimentos de matemática

Uma grande parte do curso passará pela matemática. Ela é crucial para a tecnologia moderna, sendo utilizada em áreas como análise de dados, inteligência artificial e segurança digital. Entre os principais campos de conhecimento que utilizam matemática, podemos destacar:

  • Inteligência artificial;
  • Processamento gráfico;
  • Análise de dados;
  • Big data;
  • Aprendizado de máquina;
  • Otimização de algoritmos;
  • Sensores de movimento;
  • Análise de grafos;
  • Segurança digital.

Todas essas áreas utilizam princípios matemáticos para a criação de soluções inovadoras. Cientistas da computação que trabalham com a criação de ferramentas complexas ou pesquisa possuem a matemática como uma aliada fundamental.

Esse é o caso da segurança digital. A área é conhecida por utilizar fórmulas matemáticas para criar sistemas de criptografia de alta complexidade e que sejam virtualmente impossíveis de serem quebrados.

Baixar ebook

2. Saber solucionar problemas de forma inovadora

O profissional de ciência da computação trabalha para solucionar problemas com o auxílio da tecnologia. Diante disso, ele precisa ser capaz de identificar tendências do mercado e avaliar como elas podem ser utilizadas para atender a demandas de seus clientes e usuários.

Isso é feito por meio da união contínua entre teoria e prática. Um bom profissional da área deve saber identificar a melhor maneira de aplicar os fundamentos das teorias computacionais em projetos diversos, criando soluções que causem um alto impacto no dia a dia do usuário.

Essa habilidade é necessária, especialmente, para quem atua na área de desenvolvimento. Bons profissionais devem saber levantar as demandas de um cliente e as especificações de um software para definir a melhor forma de criar um sistema de alta performance. Esses dados serão aplicados durante as etapas de planejamento em rotinas como a escolha da metodologia e dos padrões de segurança.

3. Ter um bom pensamento analítico

Profissionais que trabalham segurança digital precisam estar prontos para rastrear ataques com agilidade e precisão a qualquer momento. Com um bom pensamento analítico, ele poderá identificar vulnerabilidades e, assim, avaliar quais são as melhores medidas corretivas a serem tomadas.

4. Interessar-se por lógica computacional

Todo algoritmo eficiente possui uma lógica bem estruturada. Para que um conjunto de comandos possa atender ao objetivo desejado, o profissional precisa ter uma base sólida em lógica da programação. Assim, ele pode eliminar uma série de bugs causados por erros no código fonte e, ao mesmo tempo, criar softwares fáceis de serem modificados. Desse modo, um interesse pela lógica computacional é importante.

ser-um-cientista-da-computacao.gif

5. Querer se manter sempre atualizado

Para ser um cientista da computação de sucesso, é preciso ter um perfil moderno e atualizado constantemente. Quem possui medo de aprender coisas novas muitas vezes fica para trás, já que a tecnologia muda rapidamente.

Uma vez que o graduando em ciências da computação tenha definido a sua especialização, deve-se focar em sempre estar por dentro das tendências da área. Isso pode ser feito por meio de blogs e newsletters, que fornecem um resumo de tudo o que há de novo em cada setor de TI.

Publicações acadêmicas também podem ser consideradas. Elas fornecem um profundo conhecimento sobre as descobertas que serão adotadas no futuro pelo mercado. Além disso, cursos colocam o profissional em dia com novos padrões e tendências da sua área de atuação.

Como ter uma carreira de sucesso como cientista da computação?

Como já falamos, para trabalhar com ciências da computação é necessário possuir um conhecimento multidisciplinar. O profissional da área combina diversas habilidades no seu dia a dia na busca pela criação de tecnologias e ferramentas que causam alto impacto no dia a dia de um usuário.

Fóruns e conferências devem fazer parte da agenda do profissional da área. Eles permitem conhecer novas soluções e ainda entrar em contato com profissionais da área. Participar desses eventos confere terá acesso em primeira mão a tendências digitais e poderá fortalecer a rede de contatos profissionais.

As certificações colocam o profissional na frente de outros profissionais durante a busca por uma vaga de emprego. Elas atestam conhecimentos em pontos específicos, como um sistema de banco de dados ou uma linguagem de programação e são obtidas facilmente.

Hoje, a tecnologia está atingindo todos os setores da vida humana. Dos transportes aos cuidados com a nossa saúde, ferramentas de TI permitem uma rotina mais simples e convergente. No entanto, para que negócios consigam utilizar suas soluções com qualidade, o especialista em tecnologia entrará em ação. Você está pronto para ser essa pessoa?

Gostou do nosso post e quer receber em primeira mão mais dicas sobre os cursos de tecnologia da informação? Então, curta a nossa página do Facebook!

Baixar ebook

Ciencia da Computacao

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.