BLOG DA GRADUAÇÃO

Conheça 3 previsões sobre o futuro das redes de computadores!

Para falarmos especificamente sobre o futuro das redes de computadores, é preciso, antes de mais nada, contextualizar. Pense bem: com o avanço cada vez mais rápido da tecnologia e das conexões de redes, não apenas os computadores passaram a estar conectados, mas também uma infinidade de outros dispositivos — como celulares, carros e até geladeiras!

Essa verdadeira revolução tem conectado tudo e todos. E cada vez mais, tem utilizado combinações tecnológicas pouco prováveis para possibilitar essas conexões. Não parece que já estamos vivendo o futuro? Mas acredite: ainda tem mais!

Em relação ao futuro, então, deve-se pensar muito além dos computadores, focando na conexão entre outros recursos que contenham ou possam conter conectividade. Olhe ao redor e veja as infinitas possibilidades de conexão e as oportunidades para quem ainda está apenas estudando para se tornar um profissional de Redes de Computadores. Curioso para conhecer algumas das previsões para o futuro dessa conectividade? Então veja o que preparamos a seguir:

Futuro das redes de computadores

Roteadores e gateways domésticos se tornarão obsoletos

Como os usuários acabam por possuir diversos dispositivos portáteis que precisam se comunicar em diversos lugares, a instalação de roteadores e outros equipamentos fixos dentro de uma casa para gerenciar o tráfego deixará de fazer sentido.

Em um futuro não tão distante assim, esses dispositivos passarão não só a se comunicar uns com os outros como a se conectar diretamente à internet com máxima facilidade. Para tanto, bastarão poucos pontos de fornecimento de conexão em locais específicos da cidade para que os dispositivos sirvam como roteadores — é o que os estudiosos chamam de tecnologia Machine to Machine (M2M).

Baixar ebook

Exigências de conectividade flexibilizarão as redes

Para John Healy, diretor de SDN da Intel, a infraestrutura de redes terá que ser muito mais flexível em termos de provisionamento de recursos, com o propósito de apoiar esse aumento contínuo em dispositivos e conectividade.

A previsão é de que computadores, ativos ou recursos de rede e de armazenamento tenham que ser colocados à disposição do consumidor de serviços, independentemente da sua localização geográfica e da hora do dia. Isso já vem acontecendo, ainda que em escala menor, com a computação em nuvem. Assim, se você achava que a nuvem era o limite, chegou a hora de repensar seus conceitos!

Cada usuário terá sua própria nuvem

Nessa perspectiva, a rede vai se tornar uma nuvem (centros de dados) pessoal. Assim, a capacidade de assistir a vídeos de alta definição, por exemplo, no dispositivo certo e no momento certo será ativada por uma rede que responde a essa necessidade. Isso será possível graças a uma rede integrada de gestão e abastecimento de serviços, com os recursos sendo dinamicamente realocados com base na demanda. Quando não necessários, esses recursos serão guardados, empregando melhor a banda e otimizando custos.

Dessa forma, as redes conservarão os recursos limitados (ou seja, largura de banda e eletricidade), tornando-os mais sustentáveis, tanto a partir de uma perspectiva de negócios quanto levando em conta a questão ambiental.

E então, gostou de conhecer essas previsões? Comente aqui e divida suas impressões conosco! Aproveite para conhecer também 6 filmes sobre hackers que vão te inspirar a fazer o curso de Redes de Computadores!

Baixar ebook

Redes de Computadores

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia da Fonseca

Ana Flávia Pereira Medeiros da Fonseca é reitora do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Maryland-EUA, exerceu cargo de Chefe de Arquitetura de Informação (Chief Information Architect) e Gerente do Departamento de Gestão da Informação do Banco Mundial. Possui experiência em negociação e cooperação internacional na área de projetos de informação com agências multilaterais e bilaterais, administrando programas relacionados à análise e ao apoio de projetos científicos e tecnológicos.

MAIS LIDOS