Descubra o que é a mediação cultural

Os métodos independentes de resolução de conflitos, tal qual a mediação, estão sendo mais procurados pelas pessoas visto que economizam tempo e dinheiro, são muito mais rápidos que os processos judiciais. Também envolvem menor formalidade e conferem aos envolvidos maior autonomia.

A mediação pode ser aplicada em diferentes contextos, como em conflitos familiares ou entre vizinhos, em problemas corporativos (por exemplo, as dívidas a pagar e a receber), em disputas envolvendo direitos autorais, e assim por diante.

Neste post, falaremos sobre mediação cultural, o que é, quais são suas características. Leia e aprenda um pouco mais sobre o assunto!

descubra-o-que-e-a-mediacao-cultural

A importância da cultura

A cultura faz parte da vida de um povo. Ela não morre, pode ser alterada, sofrer reduções e acréscimos, pode ser mais rica ou mais pobre em elementos — mas nunca morre, é sempre transmitida para as gerações seguintes de forma oral ou escrita.

A cultura pode ser conservada por meio de livros, revistas, jornais, fotografias, áudios e vídeos. Um conjunto de fotos pode revelar a história de uma cidade ou de um local específico ou mesmo a trajetória de uma pessoa.

Hoje existe uma opinião compartilhada entre os estudiosos de que as instituições de educação devem se comprometer com a divulgação e manutenção da cultura. Nesse sentido, o trabalho de mediação cultural contribui para vincular a comunidade, as tradições e as identidades, que são características de culturas específicas.

As características da mediação cultural

A mediação cultural pode ser praticada em diferentes locais: museus, galerias de arte, pontos históricos, parques, zoológicos, jardins botânicos, aquários, reservas naturais e outros locais.

Entre suas modalidades, estão: caminhadas guiadas, teatro, livros, palestras, placas, etiquetas, mostras, folhetos, montagens interativas, obras de arte, meios audiovisuais e áudio-guias.

Os profissionais que praticam a mediação podem ser curadores de museus, guardas-florestais, naturalistas, guias, atores, guias conferencistas, comunicadores, funcionários de serviços de visita, professores e outros educadores, intérpretes, entre outros.

Os recursos e técnicas empregados no processo são, geralmente, modernos e bem sofisticados, acompanhando a evolução tecnológica. Inclui, por exemplo, óculos de realidade virtual e outras ferramentas de visualização.

A mediação como suporte à difusão cultural

O conceito de mediação cultural está se desenvolvendo em uma época em que a difusão da cultura revela-se um tanto esgotada. A difusão cultural defende a ideia da transmissão de conhecimentos como um valor por si só.  Ela considera que basta oferecer informações e cultura para que todas as pessoas possam acessá-la e interagir com os mais diversos repertórios de cultura.

Contudo, essa forma de difundir cultura não é suficiente para garantir a apropriação simbólica pelas pessoas. É importante que difusão e apropriação estejam vinculadas e, por isso, a importância das diferentes formas de mediação, ou sistemas de mediação, que trabalham no sentido de aproximar produção e apropriação.

A sociedade moderna, provida de ferramentas tecnológicas avançadas, produz e divulga um volume elevado de informações. É claro que o mercado cultural assimila bem as reivindicações de acesso a essas informações, mas também cria problemas como o bombardeio informacional, que contribui com a dispersão cultural, dificultando a efetiva apropriação de seu significado.

A mediação cultural como elo entre produção e recepção

A mediação se posiciona como um elo que permite o restabelecimento de diálogos entre os territórios da produção e da recepção, sem apelar para a subordinação de um ao outro, ou seja, sem impor hierarquias e sem confundir os dois.

Atualmente, existe um grande espaço separando produtores de cultura dos receptores de cultura, o que fragmenta os processos e inviabiliza, em diferentes situações, que seja mantido o diálogo entre essas duas esferas.

Observamos claramente como a mediação cultural pode atuar, favorecendo-se o diálogo entre a produção/difusão e a recepção/apropriação. Tal como acontece nas Câmaras de Mediação e Arbitragem, nas quais esse recurso é usado como forma de aproximar duas partes inicialmente antagônicas, restabelecendo a comunicação entre as duas e propondo soluções que minimizem os efeitos negativos do conflito na vida delas.

A mediação no âmbito cultural também reconhece a existência do conflito, mas procura viabilizar os diálogos para aproximar os extremos, estimulando um relacionamento amistoso e interativo.

New Call-to-action

O mediador cultural

O Museu Reina Sofia, localizada em Madrid (Espanha), desenvolveu um serviço de mediação cultural de relevante importância para o público. São efetuadas atividades diferentes que buscam potencializar as visitas ao local, oferecendo ambientes de leitura e a possibilidade de usufruir de outros materiais, como áudios, vídeos, materiais históricos e assim por diante.

O mediador cultural torna-se, nesse contexto, uma figura de destaque para o museu. Ele guia os visitantes e aborda temas transversais que permitem ampliar e qualificar o conhecimento das obras em exposição.

Além disso, o mediador recebe grupos e pessoas em pontos estratégicos para falar sobre determinada obra ou sobre todo o conjunto que está no museu. Também pode ter reações pouco didáticas, provocativas, às perguntas e questões dos visitantes.

Claro que para exercer essa função, o mediador cultural precisa de um conhecimento vasto e de imaginação própria sem ter que ficar tão dependente das narrativas predefinidas pelo próprio museu.

O método aplicado por esse mediador é fazer perguntas ao visitante, dialogar com ele, tentando compreender sua opinião sobre o assunto e procurando, ao mesmo tempo, enriquecê-la com informações adicionais e relevantes.

Ele evita usar narrativas, discursos e aulas prontas, partindo sempre de pontos diferentes e seguindo um caminho próprio, conduzido pelo visitante e não pelo mediador.

Uma ferramenta usada pelo mediador cultural do Reina Sofia é o tablete, que ele consulta sempre que precisa ou deseja novas informações que possam tornar sua narrativa mais rica. O aparelho também serve para registrar percepções dos visitantes sobre determinada obra ou sobre o museu em geral, algo que sirva para explicar a experiência deles no local.

As instituições de mediação cultural

Hoje, existem algumas instituições focadas exclusivamente em mediação cultural. É o caso dessas:

  • - Associação para Mediação Cultural (Reino Unido);

  • - Associação Nacional para Mediação Cultural (Estados Unidos);

  • - Rede de Mediação Cultural Nova Zelândia (Austrália);

  • - Centro Sueco de Mediação Cultural (Suécia);

  • - Mediação Cultural Austrália;

  • - Mediação Cultural Europa;

  • - Mediação Cultural Canadá;

  • - Mediação Cultural Escócia.

A mediação como forma de restabelecer a comunicação entre duas partes que se antagonizam ou não estão em equilíbrio é sempre eficaz em qualquer área, inclusive no âmbito da cultura.

E você, o que pensa sobre a mediação cultural? Considera válida como meio de ligar a difusão e a apropriação da cultura pelo povo? Faça seu comentário e enriqueça este post!

baixe o minibook!

Tags: mediação, mediação cultural

Posts populares

Assine nossa newsletter